segunda-feira, 4 de junho de 2018

Todo o meu enfoque está em lhe mostrar o que é Real Meditação



Em Satsang, estamos trabalhando juntos essa questão da Realização. Realização é o encontro com a Verdade em nós mesmos. Aquilo que nós chamamos de mente humana tem se mostrado um extraordinário mecanismo, mas ela carrega um aspecto, dentro de seu movimento, que tem produzido aí o estado de separatividade — você e a Realidade, você e Deus, você e a Verdade. 

A mente tem esse movimento caótico de pensamentos, sentimentos, emoções, percepções, assentados nessa base falsa, que é o falso “eu”, que não é você, mas se passa por você. A mente não pode ser parada. Você percebe toda a confusão dela, mas, simplesmente, não consegue pará-la; não consegue desligar, nem interromper a confusão que ela cria em sua vida. O que você chama de “sua vida” é confusão. Assim, o pensamento não pode ser parado. Isso é curioso, pois ele pode parar, mas não pode ser parado. Essa confusão pode ser interrompida, mas por Algo maior que o seu desejo de interrompê-la. Todo esse sofrimento, toda essa confusão interna pode ser interrompida, mas não por você.

É melhor colocar dessa forma: pode haver uma interrupção, mas você não pode interromper isso. O pensamento pode parar, mas você não pode pará-lo. O sofrimento pode terminar, mas você não pode fazê-lo terminar. O medo pode acabar aí, mas você não pode acabar com ele. Você é o medo, a confusão, a tagarelice interna, esse estado caótico interno, e esse “você” é a ilusão do falso “eu”. Você está muito preso a esse movimento para poder interrompê-lo; está embolado com isso. Você está identificado demais com o pensamento para poder interrompê-lo; está identificado demais com a confusão interna para poder se livrar dela; identificado demais com a imaginação para poder interromper o medo.

O seu trabalho é Acordar, porque tudo isso é o “estado de sono”, mas você não sabe que está dormindo. Isso é semelhante a estar sonhando sem saber que está sonhando. Tudo o que você busca é Amor, Paz, Liberdade, Felicidade, Verdade, mas, como está se confundindo com a mente há muito tempo, você tenta encontrar Isso dentro dela própria. Para que o Amor, a Verdade, a Liberdade, a Felicidade, Deus, seja Real aí, você tem que Acordar. Como você está “dormindo”, “sonhando”, está buscando Paz, Amor, Felicidade, Liberdade, Deus, externamente, ou seja, está buscando Isso dentro do seu “sonho”, no “estado de sono”. 

Você está buscando a Paz e, simultaneamente, produzindo confusão nos relacionamentos, contra a própria Paz que você está buscando. Você quer paz, mas não quer a Paz. Você não sabe o que é Paz para poder encontrá-La, por isso que você A busca fora. Isso vale para Liberdade, Felicidade, Amor. Você não sabe o que é Amor; sabe o que é prazer, preenchimento em prazer afetivo, emocional, sentimental, mas isso não é Amor. É por isso que você busca isso nos relacionamentos e, então, quer casar, ter filhos… Você busca a felicidade em objetos. Você acredita que, quanto mais objetos conseguir, mais felicidade terá (para ter objetos você tem que ter dinheiro; quanto mais dinheiro, mais objetos; quanto mais objetos, mais conforto; quanto mais conforto, mais felicidade). Porém, conforto não é Felicidade e objeto não dá Felicidade… Nada do lado de fora, absolutamente nada, dá Isso! 

Tudo do lado de fora produz prazer e dor. Amor, Paz, Liberdade, Felicidade, Deus, é algo que está dentro, não está fora. Meu trabalho com você é lhe mostrar o que Você É para si mesmo, para si mesma, porque você precisa somente estar só. Tudo o que você precisa já está presente Nisso que Você É, não está fora!

Por isso todo o meu enfoque é lhe mostrar o que é Real Meditação. Você precisa descobrir O que está presente, que já está aí... É só descobrir! Você não vai produzir, nem trazer de fora, vai só descobrir. O meu trabalho é ajudá-lo a lembrar-se de como acessar essa descoberta. 

Enquanto houver qualquer forma de dependência — e dependência é estar ligado ao mundo externo que a mente produz em seu sonho, em sua fantasia, em seu desejo de se expressar — você permanecerá fora de Si mesmo, fora de sua Natureza Essencial, e não haverá Amor, Paz, Liberdade, Felicidade… Não haverá Deus! Tudo o que você nasceu para realizar é essa descoberta Daquilo que está aí, mas que não é esse corpo, essa mente, nem objetos, lugares, pessoas, coisas, imagens, ou seja, não é absolutamente nada do lado de fora. 

Quando o seu Ser, sua Real Natureza, aflora, tudo continua no mesmo lugar, mas agora tudo está em um novo lugar. O que eu estou dizendo é que não é o mundo externo que tem que desaparecer, é a ilusão que a mente faz sobre o mundo externo, o que ela projeta sobre toda essa exterioridade, pessoas, coisas, lugares, objetos, sensações, percepções.

É como se houvesse um bolo com uma cobertura. Ninguém sabe do que aquele bolo foi feito, não se sabe que tipo de bolo está ali debaixo daquela cobertura, se é um bolo de laranja, cenoura ou chocolate. Na verdade, a gente nem sabe se é um bolo, pois, devido a cobertura, pode não ser um bolo real, mas algo com uma cobertura muito bonita e bastante convincente. A mente tem criado essa cobertura sobre a sua Real Natureza. Você não sabe que “bolo” é esse, porque está encantado com a cobertura. Toda sua experiência, chamada de “vida”, é sobre a “cobertura” e não sobre o “bolo”. 

Então, quando você vem a Mim, eu digo: “Isso não é real”. As pessoas ficam furiosas a princípio, é verdade. Elas ficam furiosas quando eu digo: “Você é uma fraude!”. Não estou dizendo que Ela não é Real, estou dizendo que “ela” não é real; tudo que ela sabe dela mesma não é real. As pessoas vivem num constante tumulto interno, confusão interna, numa completa contrariedade dentro. Esse dentro ainda é a “cobertura”, a superfície.

Assim, digo que não existe forma de você parar isso. A mente é isso, essa confusão; ela é essa “cobertura”. Essa é uma notícia desanimadora... Não existe forma de parar essa mente. Agora tem uma outra notícia que não é tão ruim, é uma notícia boa: não há necessidade de pará-la; ela para! É possível quebrar esse modelo, esse padrão, desfazer-se disso, mas não é necessária nenhuma ação da sua parte. Olhe que interessante! Há em você um elemento capaz de romper com esse padrão, mas não é o “seu esforço”, da forma que você entende essa questão do esforço. Por isso, você não necessita tentar destruir, parar a mente.

Agora nós tocamos na questão da Real Meditação. O problema com a meditação tradicional, que as pessoas conhecem, é que ela tenta fazer com que você pare a mente, e você não precisa fazer isso. A mente pode até se esconder, mas não vai parar; ela voltará de novo. Você não necessita tentar parar a mente; ela para, mas não é você quem para. Ela para por si só quando há espaço de Consciência. Dê espaço para a Consciência e a confusão da mente desaparece! 

Como é que você dá espaço para que essa mente pare por si só? Atenção! Só isso. Apenas fique atento à maluquice dela. Ela é doida ou não é? Você olha o movimento dela e, então, o sonho termina. E isso acontece porque você se desidentifica, naturalmente, da maluquice dela, da tagarelice interna dela. Não é a mente tentando parar a mente, é a observação paciente, cuidadosa, sem pressa… um profundo interesse em observar. Assim, a confusão termina, a identificação com esse pensamento maluco que você tem desaparece, porque o sonho acaba, o sono acaba ‒ Você Acorda! Quando você Acorda, não há mais mente. A mente é inconsciência, é o sonho que acontece no sono, porque não se observa a doideira. Então, o doido vai junto com a doideira, a doideira carrega o doido, mas, se há atenção, desidentificação, não tem doido, então, não tem doideira.

O que é estar Acordado? É estar desidentificado do corpo e da mente. Então, não há crenças nem padrões de condicionamento de família, cultura, política, religião. Você está em seu Ser, em sua Natureza Real, que é Inteligência, Amor, Verdade, Paz, Felicidade! Você não busca Isso; Isso se revela como a sua Natureza sempre presente. 

Você não tenta controlar a mente, os desejos, o medo, a ansiedade, a egoidentidade com suas loucuras, e isso tudo vai embora. Não tente parar de pensar, de sentir, de desejar, de ter medo. Não tente nada disso, apenas traga consciência, observe. Quando você observa, consegue perceber que isso não é você, mas, sim, um impulso doido, viciado, repetitivo, mecânico, inconsciente, que surge e arrasta você. Mas, agora você pegou isso, está vendo e, como eu costumo dizer, está se desabituando de ser miserável. Você está se voltando para Deus! Numa linguagem religiosa, está se santificando, deixando de ser um problema.

O seu trabalho é Acordar! É um trabalho totalmente Seu, mas não é um trabalho “seu”. É um Trabalho da Graça, do Amor divino, dessa Consciência interna, que é o Guru.

* Transcrito a partir de uma fala em um encontro online no Ranashram Gualberto em Campos do Jordão em Abril de 2018 - Para participar baixe o app Paltalk - Encontros todas as segundas, quartas e sextas às 22h



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações