terça-feira, 10 de abril de 2018

Conflito é sinal de resistência à Vida!



Todos os conflitos são sinais de resistência à Vida! Conflito na vida é resistência à Vida! A vida em conflito é sinal do “sentido de alguém” presente nesse experimentar. A vida, em si, não carrega conflito; a pessoa, em si, não vive sem conflito; a pessoa é esse “alguém” no experimentar.
Se não houver resistência, todas as vezes que você se deparar com a vida, não terá conflito. Quando não há resistência, não há conflito e, assim, Você é a Vida! Mas, todas as vezes que você se deparar com a vida e houver conflito, “você” será o conflito, nessa “vida pessoal”. Ou seja, o conflito é o sinal da presença da “pessoa”. Esse sentido de ser e ter, que é o que cria essa “minha mente”, esse “meu eu”, esse “mim mesmo”, é o sentido da vida que jamais deixa de carregar o conflito, porque “você” está lá, sempre resistindo ao que É, àquilo que acontece.
Nada está acontecendo pelo fato de você estar presente. O que parece estar acontecendo é a Vida se expressando, e Ela não é pessoal, não é a presença deste “você” que determina, controla ou muda as coisas que acontecem. A presença desse “você” é a resistência; é a ilusão de uma “vida pessoal” na Vida única, na única Realidade, que é a Vida como Ela É. A ciência ou a arte da Felicidade, que é viver sem conflito, é viver a Vida como Ela É. Isso significa uma profunda confiança naquilo que acontece, como sendo Deus acontecendo, a Verdade acontecendo. Isso significa não ser importante, não resistir, não ser pessoal, ou seja, não ser o “experimentador” nessa experiência que é a Vida.
Todas as vezes que você estiver sofrendo, será a ilusão de alguém presente batendo de frente ou confrontando com aquilo que a Vida manifesta, com aquilo que Ela É! Não há nenhum sofrimento, conflito e problema, quando não há resistência, que é quando não há o “eu”, essa mente egoica, esse movimento separatista que cria essa dualidade “eu e a vida”, “eu e aquilo que acontece". Nessa separação, você tem o conflito, porque tem a resistência. O que eu estou dizendo é que viver sem ego é muito simples! Viver no ego é que é complicado, porque viver dessa forma requer muita coisa.
Para ser feliz, basta Ser! Para ser infeliz, basta ter qualquer coisa: ideias, crenças, conclusões, opiniões, julgamentos, comparações, objetos, pessoas, resistência. Você não precisa de nada para ser feliz, porque essa é a sua Natureza como Ser. Agora, você precisa de qualquer coisa para ser infeliz, porque essa não é a sua Natureza como Ser. Ser infeliz é a natureza da mente dualista, ilusória, do “sentido de alguém” presente, sempre tentando ajustar, reformar, consertar, controlar, determinar.
Não é simples isso? Estar nessa separação entre “você” e o que vai acontecer é conflito. Isso é ser uma “pessoa”, o que é uma ilusão, porque não há “pessoa”; há somente um movimento de pensamentos, crenças, opiniões, julgamentos e desejos, com os quais você se confunde, se identifica. Assim, você passa a existir separadamente, para “ser alguém”, e, é claro, para sofrer ‒ o ego não pode viver sem isso.
É por isso que eu encontro poucos interessados no que tenho para compartilhar. Todos querem ser alguém, ter, alcançar ou realizar algo; todos querem resistir! É como se estivesse faltando alguma coisa, agora, para serem felizes! A mente egoica cria isso, essa ilusão dessa “pessoa” que precisa de algo.
No dia em que não houver mais aí essa imaturidade, esse posicionamento, que é baseado nesse desejo de ser, ter, fazer, poder realizar algo ou chegar a algum lugar, a Existência toda se derramará! Quando você não mais deseja, nada mais lhe falta. A Verdade é a única forma de você ser, verdadeiramente, milionário, multimilionário; você não deseja nada, porque nada lhe falta. A maneira de ser pobre e profundamente miserável é tendo desejo. Os pobres querem ser ricos, os ricos querem ser milionários, os milionários querem ser multimilionários. Todos são pobres!
Nessa resistência, a pobreza se mantém. A pobreza é essa miséria, essa alienação de sua Verdadeira Natureza, que é Riqueza, Plenitude, Completude, Felicidade. Essa alienação é a verdadeira pobreza, a qual está em cima da resistência. O que está faltando? Qualquer coisa que esteja faltando torna você miserável… qualquer coisa! Não importa o quanto você é milionário ou bilionário, se tem algo faltando, você continua pobre, um pedinte. Porém, se você não tem desejo, você é um Príncipe, um Rei!
Depois que Buda deixou os seus três palácios e toda a sua riqueza, que o tornava miserável, ele passou a andar como um Rei. Depois que ele abriu mão de tudo e não era mais rei, não tinha mais os palácios, nem o reconhecimento público, tornou-se um verdadeiro Rei. Quando Acordou, foi além do desejo, e, então, passou a andar e viver como Rei. Ramana Maharshi também viveu como um Rei!

* Transcrito a partir de uma fala em um encontro presencial realizado em Fortaleza, em Setembro de 2016.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações