quarta-feira, 28 de junho de 2017

Qual é a origem de todo conflito e sofrimento humano?






Neste momento, você está tendo a clara sensação da audição desta fala. O que você não questiona é se o escutar dessa fala está acontecendo, de fato, para alguém. Então, a crença comum é a de que há uma entidade presente nessa experiência do ouvir. Esse fenômeno do ouvir não é nada além de um fenômeno físico. As ondas sonoras atingem o tímpano e produzem uma informação ao cérebro, uma mensagem,  a qual é interpretada no formato de palavras ou pensamentos. Contudo, esse fenômeno do escutar é apenas um fenômeno da Consciência, e isso não torna real a existência de alguém presente nesse escutar. É somente um fenômeno físico.

Contudo, a ideia central é: “eu estou presente”, “eu escuto”, “eu concordo” ou “eu discordo disso que estou escutando”, “ele está certo” ou “ele está errado”... Outro pensamento também surge, dizendo: “essa fala está bem interessante”. Porém, a ideia central é a de que tudo isso parte de você, de que tem alguém presente nessa experiência do ouvir, do escutar. Ou seja, o que você está fazendo neste encontro, nesta noite, não é questionando a verdade da experiência, mas a verdade da existência de alguém presente nela. Todo conflito, todo sofrimento humano, está   centrado, basicamente, na ilusão de haver uma entidade presente na experiência, seja na experiência do falar, do ouvir, do pensar, do sentir, do não fazer ou do fazer.

Essa ideia de estar presente, essa ideia do "eu", do "mim", dessa ego-consciência, é um condicionamento que você recebeu desde a infância, mas isso não existe. A “sua” consciência não é particular a esse organismo, a esse corpo. Portanto, esse fenômeno do ouvir não é um fenômeno particular, mas um fenômeno da Consciência, na Consciência, pela Consciência e para a Consciência. O que estou dizendo, em outras palavras, é que não tem um “eu” aqui falando e um “você” aí ouvindo; é um único movimento, um único fenômeno. Há uma única Presença tornando possível essa aparição.

É como uma onda no oceano… Esse oceano é a Consciência e essa pequena onda é esse fenômeno. Não há separação entre a onda e o oceano, entre o fenômeno e onde ele acontece, aparece, ou – indo um pouco mais longe – parece aparecer, parece acontecer, porque, na realidade, a sua mente é esse fenômeno, é essa aparição. 

Então, Satsang é apenas um convite para a investigação da realidade desse “você” na vida, na existência. A sua Natureza Verdadeira é Consciência, não é algo pessoal. Não tem uma “pessoa” presente, tem apenas a aparição desse fenômeno corpo-mente (sensações, pensamentos, emoções, percepções). A “pessoa” é uma ilusão, ou seja, a identidade pessoal, com um nome, uma forma e uma história, é uma ilusão. Essa é a beleza de Satsang (palavra sânscrita que significa “encontro com O que é”, “encontro com a Realidade, com a Verdade”). Essa desconstrução, ou o colapso dessa ilusão do “eu”, é algo possível dentro de um trabalho real, verdadeiro. 

A sua única Liberdade real, como Consciência, é Ser, e Ser é Felicidade! Consciência é essa Inteligência absoluta, não verbal, não intelectual, não conceitual. Essa Consciência, essa Inteligência absoluta, está além da dualidade, além desse sentido do bem e do mal, da causa e efeito, bondade e maldade… A Consciência está além dessa dualidade “eu e o mundo”, de um experimentador presente na experiência do mundo, como se o mundo fosse a experiência de "alguém", desse "mim", desse "eu", dessa “pessoa”. Portanto, uma aproximação verdadeira, que é essa aproximação presencial em Satsang, traz esse Despertar, revelando-se, então, esse profundo Silêncio, essa profunda Consciência, essa profunda Realidade. 

Então, Ser é Consciência, que é Felicidade! Essa é a natureza da Realização! Para o Jnani, aquele que despertou, que está em seu Ser, como Consciência, Felicidade, não há conflito, medo e sofrimento. Você nasceu para Isso – para a Felicidade, para a Consciência, para Ser! Porém, assim que esse corpo-mente aparece nesse cenário [nascimento], você é logo engolido por esse condicionamento, por essa crença, essa ilusão, por esse modelo, esse padrão de pensar, sentir. É preciso ir além desse condicionamento, além dessa dualidade. É preciso assumir a Verdade sobre si mesmo.

Essa constante busca de paz, amor, felicidade e liberdade do lado de fora, em coisas, pessoas, lugares, é a ilusão que termina, que é quando a ilusão da identificação com o corpo termina – a identificação com essa ideia de ser um menino ou uma menina, um homem ou uma mulher, um jovem ou uma jovem, um velho ou uma velha… Então, quando isso termina, a Verdade se revela. A Verdade é essa Suprema Liberdade, esse Amor, essa Suprema Felicidade, possível nessa Consciência, que é Inteligência absoluta, que é Ser! Assim, a Verdade se revela nesse Ser, que é a Consciência, a Felicidade, a Liberdade, o Amor… Revela-se nessa Felicidade, que é Consciência, Liberdade. Observe que estamos falando de Ser-Consciência-Felicidade, uma única Presença, a Presença de seu Ser, de sua Natureza Verdadeira, que é esse Silêncio, essa Graça, que é uma outra palavra para Beleza, Amor, Verdade.

Afinal, quem é que sofre? Uma vez que você se identifica com a mente, o sofrimento está presente. Em Satsang, você está sendo convidado a ir além da ilusão do “eu”, da separatividade, da dualidade, do sofrimento. Não é exatamente o corpo que sofre; o corpo tem dores. O sofrimento é algo psicológico, algo para esse sentido do “eu”, para a mente. Você tem se confundido com o corpo, e é na mente que você se confunde com ele. 

*Transcrito a partir de um encontro online na noite de 15 de Março de 2017
Encontros das todas segundas, quartas e sextas-feiras as 22h Baixe o App Paltalk para o seu computador ou dispositivo móvel para participar. Para maiores informações acesse o link:  http://mestregualberto.com/agenda/encontros-online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações