terça-feira, 9 de agosto de 2016

A vida é o seu estado natural



Toda essa problemática humana, da existência humana, de estar na vida separado dela, de se posicionar de uma forma conflituosa com ela, se resolve quando compreendemos que todo o conflito nasce dessa contradição, dessa resposta inadequada. Isso porque nós não nos lembramos – e é importante que você se lembre – onde tudo isso está acontecendo.

Não se trata de ser reativo ou proativo na vida; não se trata de aceitar ou de rejeitar o jogo dos acontecimentos na vida; não se trata de cruzar os braços e não fazer nada, ou sair para a luta, tentando fazer alguma coisa. Trata-se, simplesmente, de sobrevoar tudo isso, de estar acima disso, de ir além disso.

Então, é importante que você se lembre que os pensamentos e as ações resultantes do pensamento, as emoções e as ações resultantes das emoções, as sensações e as experiências dessas sensações, estão acontecendo numa dimensão onde isso não o toca, realmente. Isso pode tocar o corpo e a mente; pode se manifestar como a realização de projetos ou a não realização desses projetos; pode se manifestar como alegria ou tristeza, como prazer ou dor; mas você se encontra acima de tudo isso, além dessa ou daquela circunstância, quando você se lembra de que isso não toca, não atinge, não altera em nada sua Natureza Essencial, sua Natureza Real. É quando você se encontra acima, ou sobrevoando tudo isso, dando uma apreciação justa àquilo que está aparecendo nesse momento.

Esta é a real Meditação: não se perturbar, não se confundir, não se misturar, não acreditar – de uma forma ilusória, é claro – que você tem o controle. Há um Poder movendo tudo, fazendo tudo acontecer. Lembre-se disso! A Liberdade que você tem é de sobrevoar isso, é de estar acima disso, não se confundindo com aparições, que são apenas manifestações da Vida.

Portanto, não se trata de recusar ou aceitar o que acontece, de ser reativo ou proativo, de ficar passivo ou ativo, sentindo que tem que fazer ou não algo. Trata-se, basicamente, dessa lembrança de que esses acontecimentos não são seus, mas sim de um Poder que move tudo da forma como Ele determina; que faz ou deixa de fazer tudo da forma como Ele determina.

É sempre dentro dessa “sua ótica” que as coisas estão ou não acontecendo, que existe pró ou contra, para o “seu” bem ou para o “seu” mal. Aí está essa confusão, essa ilusão, essa identificação.

Aqui, é fundamental a lembrança de não se confundir com a experiência “corpo-mente-mundo”. Sobrevoar tudo isso, estar acima de tudo isso... Um viver não circunstancial. Essa é a única forma real de se assumir sua Real Identidade que não conflita, que não guerreia, que não luta, que nunca está tensa com o que se apresenta.

A Liberdade é essa suprema arte: a arte da lembrança de que não há alguém nisso. Não há alguém aí, não há alguém lá... Tudo isso é um grande jogo divino, um grande filme de Deus, um grande teatro. A Vida é um teatro sagrado. Uma peça teatral é a Vida.

A sua Liberdade é a Liberdade de Ser, que implica sobrevoar, não se confundir, não assumir essa arrogância de tentar determinar o que acontece, porque isso não está em seu poder.

Se você não vai determinar a sua próxima respiração, como pode determinar o futuro dos seus filhos? Como pode ter a certeza da próxima viagem, ou do réveillon num cruzeiro ou em determinado lugar? Aquilo que é mais urgente para você é a próxima respiração e você não controla isso. Como pode controlar a segurança dos seus filhos, ou a felicidade do seu namorado, ou do seu casamento? Como você pode se sentir responsável e se responsabilizar tanto pelo futuro do mundo, do planeta, ou de qualquer coisa? É dessa arrogância que estou falando!

A sua Liberdade não é pessoal, não pode ser forjada por suas escolhas e determinações!

Eu sei que isso é contrário a tudo o que vocês ouviram até hoje, mas é um fato. Se você não pode determinar que daqui a 5 minutos o seu coração ainda estará batendo, se você não pode determinar isso com segurança, como pode determinar qualquer outra coisa?

Então, aqui, trata-se de estar nesse sobrevoo, acima desse movimento do pensamento, das sensações, das emoções; acima do movimento  dessas atividades ou não atividades, dessas ações ou não ações, do que acontece ou do que parece que não aconteceu ainda.

Seu Estado Natural é Meditação e na Meditação não tem “você”. A Vida é o seu Estado Natural e, na Vida, “você” não entra, a não ser como mais um elemento nesse teatro de Deus.

Ok? É isso!

 *Transcrição de um encontro no Ramanashram Gualberto em Campos do Jordão em Junho de 2016

2 comentários:

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações