sábado, 2 de abril de 2016

Não crie qualquer resistência e permaneça como Consciência





Seja bem-vindo a mais um encontro. Mais uma vez juntos neste momento, neste encontro... Uma bela oportunidade! Eu quero chamá-lo, nesse encontro, para que você assuma Isso de forma consciente. Conscientemente, assuma esse “Espaço”, permitindo que Ele se revele em sua totalidade, sabendo que tudo já está ocorrendo, já está acontecendo.



Não há nada que você, como uma entidade pessoal, possa fazer. Essa é só uma bela crença, uma grande ilusão. Veja que não há um indivíduo, um orquestrador por detrás do que está acontecendo. Veja que não há nenhuma entidade individual no comando, no leme, controlando tudo. A crença básica é essa, e é dela que estamos nos desfazendo.



Eu quero convidá-lo a ser, conscientemente, esse Espaço, que permite isso tudo que está ocorrendo, sem resistir, sem lutar, sem sustentar essa ilusória identidade que orquestra, que dirige, que controla. Isso significa viver em seu Estado Natural, em seu Estado Real. Permaneça sendo esse Espaço, não resista, não lute, não crie qualquer resistência. Permaneça como Consciência! Isso significa, acima de tudo, ver que não há qualquer indivíduo nessa coisa; não há nenhum indivíduo orquestrador, controlador, nesse misterioso movimento da vida, nenhuma entidade individual controlando qualquer coisa. A única realidade é Deus - a única Verdade presente.



Você simplesmente desiste de pensar da maneira tradicional, de confiar nessas ideias, nessas crenças tradicionais. Você aqui está se desabilitando a viver como uma entidade separada, a viver dentro dessa ilusão. Percebe isso? Percebe o quanto isso é importante, o quanto é valioso para você desistir dessa ilusão, desistir de confiar nessas aparições? É importante que você se lembre de que seus próprios pensamentos e sentimentos também são parte dessas aparições, assim como as respostas que podem resultar desses pensamentos e sentimentos. Você não pode confiar em aparições! Você precisa se desidentificar dessas aparições, de todas elas, perder essa identificação com isso. Eu diria que é importante essa lembrança. Então, seja consciente desse Espaço, onde tudo isso está ocorrendo. Mantenha-se como essa Consciência, que é esse Espaço, onde tudo isso está acontecendo. Claro isso?



Reparem que é uma questão de trabalho, de não esquecer que você não é o corpo, que não é a mente. Isso significa dar a si mesmo essa Liberdade Total! Significa se mover sem qualquer posição fixa, sem se fixar em pensamentos, em sentimentos, em emoções; sem se prender à ideias, sem se fixar em ideias, sem se estabelecer em crenças.



Participante: Mestre, quando você fala em desistir de tudo, de se desprender de tudo, eu sinto um vazio e uma tristeza, ao invés de sentir liberdade.



Mestre Gualberto: A pergunta para você é: quem está sentindo tristeza? Deixe essa tristeza se desprender também. Ela é algo que também se desprende. Ela vem e vai, como todas as coisas das quais você tem que desistir e soltar; a tristeza é uma delas, como a alegria, também. Só Aquilo que Você é permanece, quando você desiste de tudo que você acredita ser.



Aquele que sente o vazio, aquele que sente a tristeza e aquele que quer sentir a liberdade são a mesma entidade, a mesma ilusão, que não é sua Natureza Real. Da ilusão você pode desistir, e consegue desistir! Você só não pode desistir de Si mesmo, de sua Natureza Real, de sua Natureza Verdadeira, que é a Real Alegria, Felicidade, Amor, Paz e Verdade.



Participante: “O que é o sono que vem durante essas práticas, e como superá-lo? O que deve ser feito?”



Mestre Gualberto: Por que se ocupar com práticas? Quem foi que lhe falou da necessidade de práticas? O que a mente faz quando você a coloca numa situação inteiramente nova, dentro de uma disciplina de um formato novo, dentro de uma prática? Para fugir dessa prática, para fugir desse formato novo, desse novo modelo, ela adormece. Ela precisa fugir disso! Então, a questão não é como superar esse sono, não é o que fazer com esse sono, a questão é ir além dessa prática. A questão é se você pode realizar isso sozinho, se você sabe o que está fazendo. Eu lhe garanto que não, pois se soubesse não estaria em nenhuma prática.



A meditação, como prática, irá sempre produzir sono. Meditação não é uma prática. Meditação é, na verdade, o Estado Natural, que está além do estado de vigília, além do sonho e do sono. A Meditação não produz sono; ela é um Estado de Consciência fora do sono, do sonho e do estado de vigília. Poucos sabem o que de fato significa Meditação, no entanto, muitos sabem o que significa a prática de meditação. Nessa prática de meditação, o meditador está presente. A mente, entediada com essa proposta nova, com muita facilidade adormece, porque qualquer prática para ela é muito entediante. Quando a mente "se sente" obrigada, forçada, a se ajustar a um determinado tipo de pensamento, ou a cantar determinado mantra, pode adormecer. E mesmo que não adormeça, ela pode experimentar um estado meditativo, mas é um estado ainda na própria mente, da própria mente. A mente não sai da egoidade, do seu estado de identidade egoica, porque está silenciosa ou pacífica.



Participante: Por isso que estar em Satsang, na Presença do Mestre, não é entediante. É a Real Meditação.



Mestre Gualberto: Sim, essa é a Real Meditação, porque estar diante de um Mestre vivo significa estar diante dessa Presença, dessa Consciência. Isso é total alerteza, porque não dorme. O Mestre não vai deixar você dormir, porque Ele não está dormindo.



OK? Vamos ficar por aqui. Até o próximo encontro. Namastê!


*transcrito a partir de um encontro online via Paltalk na noite de 14 de Março de 2016 - Encontros todas as segundas, quartas e sextas - Participem!

Um comentário:

  1. Parece que já dormimos muito em nossas vidas.. Gratidão, Mestre por esse apontar, por essa alerteza

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações