terça-feira, 8 de março de 2016

Não há nenhum mim, nenhum eu, nenhuma pessoa aí presente...



Aqui, o ponto principal é assumir Aquilo que Você É. Você não é o autor, o agente; não parte de você a autoria, a realização. Sempre foi assim, sempre será assim. Seu nascer, seu aparecimento foi apenas um acontecimento. Chegar até essa idade, nesse organismo físico, nesse mecanismo, não dependeu de você. Quanto à renovação das células do seu corpo, a respiração, as batidas do coração, o crescimento das unhas, dos cabelos, a digestão, dormir e acordar todos esses dias, durante todos esses anos, você nunca fez isso... somente aconteceu a você. Repare isso, porque você não é o autor, você não é o agente. Esse poder presente, inerente, inato - a sua Natureza Real - tem feito tudo isso, não esse "você" que você acredita ser. Assim sendo, reconheça a sua Real Natureza, relaxe nela - Ela é mais sábia que você, que esse "você" que você acredita ser. Assim, o convite à Verdade, à Realização, à Paz, à Liberdade, ao Amor, à felicidade, é o convite a aceitar quem de fato Você É, abrindo mão da crença sobre quem você acredita ser.

Percebam a beleza disso. Isso aponta para um ponto principal aqui: você não precisa continuar na crença acerca de quem você é. Essa crença que você tem acerca de si próprio é uma ilusão. Não há nenhum “mim”, nenhum “eu”, nenhuma pessoa aí presente. Não há pessoas aqui nesse espaço. Presente sempre, sempre e sempre, é a Verdade. A Verdade, que é Ser, que é Você. Você é essa Felicidade, essa Paz. Você é esse Amor, é essa Liberdade. Você é esse pássaro que canta, o sol que brilha, essa chuva que cai. Você é esse som que fala e esse silêncio presente, também, por detrás da fala. Você é Meditação, seu Estado Natural. Você não tem que trazer o Amor de algum lugar, não tem que aprender sobre isso, pois seria o mesmo que aprender a Ser. Você não pode aprender a Ser. Você não pode deixar de ser Aquilo que Você É. Assim, o Amor é inato, a Verdade é algo inato, a Liberdade é algo inato, a Beleza é algo inato, a Compaixão é algo inato. Ninguém precisa lhe ensinar nada sobre essas coisas.

Assim, permaneça aí, como aquilo que Você É, e isso realiza. Mas você não é o autor, Isso é o autor. Percebam a diferença clara. Eles nos ensinam que nós devemos ajudar o outro, amar o outro, servir ao outro. Porém, eu digo a vocês: você não pode servir, amar e ajudar o outro, porque não há “outro” - só há Você, em toda parte. Você não pode amar o seu próximo, ele não existe! Você está aí, em toda parte, e não pode deixar de amar Aquilo que Você É. Você não pode deixar de servir Aquilo que Você É, e ajudar Aquilo que Você É. A mão não se nega a levar comida à boca. Como faria isso, não é? A língua não se nega a provar o alimento. Como faria isso? Estamos diante de uma só Realidade, de uma só Verdade presente fazendo tudo sem você. Quando esse sentido de um “eu”, de um “mim”, de “alguém”, de uma “pessoa” está presente, a ilusão, a separatividade e a ignorância estão presentes. É tão simples isso.

Fique aí “assentado”, relaxado em sua Natureza Essencial, em seu Ser. Não faça nada e tudo vai continuar acontecendo. Eles têm medo de nos dizer isso, porque não sabem nada sobre isso. Comportam-se e ensinam com base em conceitos, em crenças, em ideias, em conhecimentos adquiridos dos livros. No entanto, aqui, nos sentimos à vontade em dizer para vocês: você é essa mão, você é essas duas mãos, é esses dois pés, esse dois braços, você é essa ação Divina, você é essa ação de Deus, em sua Real Natureza. Mas lembre-se de que você não é o autor, Deus é o autor. Uma ação livre desse sentido de identidade pessoal, sem esse sentido do “eu”, não é sua, é uma ação Divina, é uma ação Dele. Assim, apenas se permita Ver. Permaneça aí, Naquilo que Você É, Nisto que Você É.


*transcrito a partir de um encontro na cidade do Rio de Janeiro, ocorrido no mês de março de 2012 

2 comentários:

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações