segunda-feira, 28 de março de 2016

A compreensão direta


A partir da compreensão direta, real desta Verdade - ou seja, se você entrar diretamente nessa substância real, nesse substrato, nessa base de todo conhecimento, de toda e qualquer experiência, sem exceção - você vai encontrar uma única coisa aí presente, que é essa Consciência. Essa Consciência é o que nós somos, essa é a única substância. Não existe nada fora Isso, não existe nada mais. Essa substância é essa Consciência que é Felicidade. 

Não é possível a Felicidade separada desta realidade que é essa Consciência. Portanto, não é possível a Felicidade em algo do lado de fora: em bens materiais, em propriedades, em realizações profissionais e, muito menos, em relacionamentos. 

Eu lhe convido a Ser, a assumir o que Você É: Pura Consciência. 

Esses encontros em Satsang são encontros para essa averiguação, investigação, imersão e constatação dessa que Consciência é Felicidade. Essa Felicidade é Amor, e esse Amor não vem de fora - ele é a natureza do Ser, de Deus, da Verdade.

Isso não pode ser uma coisa abstrata como mais uma teoria, mais um conceito, mais uma crença. Essa Consciência é aquilo que interpenetra de fora para dentro, de dentro para fora; é a substância, é a Verdade dessa manifestação. 

Não é o mundo e essa Consciência, não é o mecanismo mente-corpo e essa Consciência, não é o "pensamento, sensação, emoção, ação, prazer e dor, alegria e tristeza, bem e mal" e essa Consciência. Estou dizendo que essa Consciência é a realidade única de todas essas aparições. Acima de tudo, dentro de tudo, em tudo, sob tudo, aí está Ela. Aquilo que há de mais íntimo - não importa se é a dor, se é o mais terrível sofrimento - aí está esse Amor que é essa Consciência. É só na superfície, na periferia, na aparência e na forma que isso nos parece como dor e sofrimento. 

Se nós deixamos a resistência, se abandonamos essa reatividade, se não nos confundimos com essa aparição, então, permanecemos nesta Consciência, além de nomes e formas; permanecemos em nosso Ser, em nossa natureza Divina que é Amor. E assim, não é possível ser afetado. Viver nessa afetação é estar se identificando com nomes, formas e aparências no modo como aquilo que está mudando se apresenta.
*Fala transcrita a partir de um encontro via Paltak na noite do dia 23 de Março de 2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações