sábado, 23 de janeiro de 2016

Sinta, viva, não pense sobre!




Sinta minha fala, viva minha fala, não pense sobre ela. Não tente ajustá-la ao entendimento, a uma compreensão meramente verbal. Não faça disso uma ciência filosófica, um sistema ideológico ou um conhecimento espiritual. Minha fala não se ajusta a nenhum sistema, a nenhum conhecimento, a nenhuma ideologia, porque minha fala não diz nada... nada que se aproveite, que possa ser aproveitado para finalidades da mente.

PARTICIPANTE: Tentar entender isso é exatamente o oposto de relaxar nisso, de viver isso. Quando há a contração de um "eu" querendo isso, querendo fazer isso, aí está a dificuldade.

MESTRE GUALBERTO: Aí está o movimento da mente no tempo, fora esse paradoxo da Graça, que é o paradoxo de Deus.

PARTICIPANTE: Na mente, o tempo é muito valioso. Para a "pessoa" o tempo é muito valioso.

MESTRE GUALBERTO: O tempo é a mente. A mente é o tempo.

PARTICIPANTE: Como é que isso pode vir antes ou vir depois, ou pode ser ao mesmo tempo e gradualmente?

MESTRE GUALBERTO: Porque não é para muitos. Não é da mente, não é para a mente. Não é para você. Não é algo de sua utilidade, não é algo que você possa possuir ou segurar, manter, sustentar. Isso está quando você não está.

PARTICIPANTE: A coisa do paradoxo é legal, porque um paradoxo não tem resposta. É o que você está propondo para a gente. Tem que ir pelo sentir e não pensar. Por isso que Deus é paradoxal.

MESTRE GUALBERTO: O pensar é o belo brilho da lua no céu estrelado. Dá até, com bastante atenção, para se caminhar neste brilho e ver pequenos detalhes na relva, mas esse é somente o brilho da lua que provém do sol. O intelecto é algo assim, mas ele só vai até aí, como ver a relva e as flores sob a luz do luar; não é como ver a relva e as flores sob a luz do sol... não é a mesma coisa. A Consciência é a luz do sol, porém a mente, o intelecto com toda a sua eficiência, habilidade e capacidade, só pode realizar a visão da relva e das flores sob a luz do luar. O melhor intelecto na terra é esse. O homem mais sábio na terra, mais inteligente do mundo, só pode chegar até aí. Entretanto, essa inteligência, a sabedoria do mundo, é completa escuridão, ainda, diante da luminosa Presença da Inteligência da Graça, que é a Consciência. Esta é a visão do Sábio, e aquela é a visão do tolo.

O inteligente sábio deste mundo é tolo. O desconhecido e anônimo, livre da luz do luar da mente egoica, é o Real Sábio, que não é deste mundo. O maior iletrado, não culto, anônimo e desconhecido, Sábio, não deste mundo, está vendo sob a luz do sol. Ele é o Sol! É isso!

PARTICIPANTE:  Interessante essa analogia, porque a ciência e a inteligência levaram o homem até a lua, mas nenhum dos dois é capaz de botar o homem no sol. O calor do sol vai sempre destruir o homem.

MESTRE GUALBERTO: Quando o Sol está presente, não há homem, não há "pessoa". Nenhuma pessoa chega ao sol. Nem os nossos mais inteligentes, bem projetados e eficientes aparelhos podem nos levar até o Sol, pois, quando Ele está presente, só tem Ele mesmo. Ele não aceita bugigangas, e as "pessoas", com suas bugigangas e tralhas, não podem chegar lá; isto tem que ser deixado.

PARTICIPANTE: Não existe fraude no céu.

MESTRE GUALBERTO: Não existe fraude no céu. No Reino de Deus, não se entra atravessando portinholas e tendo chaves exclusivas, que somente alguns especiais podem ter. Isso funciona aqui na terra, com as trapaças, as imagens ocultas, carregando mensagens secretas, mensagens subliminares.

*Transcrito a partir de uma fala sob a mesa no refeitório do Ramanashram Gualberto em Janeiro de 2016

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações