segunda-feira, 24 de agosto de 2015

A Única Verdade




Mais uma vez juntos! A coisa importante aqui não é bem o conteúdo da fala. Não é aquilo que a fala pode significar, não é o significado das palavras, não é todo este conteúdo da fala, mas o Silêncio, a Presença e a Consciência por detrás dessa fala. 

Essa Realização, ou esse Despertar, é a Consciência, é a Presença, é o Silêncio, é o significado Real. É o significado além de todos os significados verbais e de todas as representações do pensamento. Essa indicação, através da fala, é para além da fala. 

Assim, o que realmente importa é estarmos juntos, é aplicarmos todo o nosso coração a esse Silêncio, a essa Presença, a essa Consciência. Toda essa simbologia, todo esse simbolismo, toda essa representação da linguagem, embora tenha aqui um certo lugar, não ocupa o lugar da Presença, da Consciência, do Silêncio.

Esses momentos de pausa entre as falas, entre uma palavra e outra, estão carregados dessa Graça, dessa coisa indizível. O Silêncio é o poder da Presença, e esta Presença está cheia desta Graça! Isto se revela no silêncio, e este silêncio revela isto. O intelecto está viciado em palavras, está constantemente em busca de um significado. A vida é o seu próprio significado, e não está contida nas palavras. A vida é a Verdade, e a Verdade não está contida dentro das palavras.
Quando você é capturado por um pensamento, por uma imagem criada pelo pensamento, a palavra se torna muito importante para desenhar aquela imagem, mas ela está tratando apenas de uma limitação; ela está apenas desenhando, vendo aquilo que é conhecido, que está dentro dessa dimensão do conhecido. Seu Ser é aquilo que permanece desconhecido, assim como a Verdade permanecerá sempre desconhecida.

Seu Ser não alcança a Verdade, porque seu Ser é a Verdade. E essa Verdade está além da mente, do pensamento e de toda experiência humana, que é a experiência do conhecido, como o desejo, o medo, o pensamento e a imaginação. Toda e qualquer experiência pode ser descrita, fazendo parte do conhecido, enquanto que o Ser, Consciência, Verdade não é parte do conhecido. Ser, Consciência, Verdade é esta Presença, e este momento revela o Silêncio, a Presença... Este momento revela o desconhecido, que é a Natureza da Verdade, a Natureza do Ser.

A mente vive dentro dessa limitação, enquanto que a Consciência permanece com Aquilo que é indescritível, inominável e impensável. Em Satsang você tem a oportunidade de reconhecer a si mesmo, como Consciência, Silêncio, Ser, Presença. É um reconhecer de uma natureza diferente, que é um constatar o desconhecido, se abismar no desconhecido. Você não pode descrever a experiência de Ser, a experiência do Silêncio, porque ela não é uma experiência no sentido de uma lembrança, de uma imagem, ou de um pensamento do qual você se recorda, é sim a Verdade na qual essa experiência aparece.

Aqui eu falo de uma experiência sem a ideia de "você" presente dentro dessa experiência. A experiência, sem a ideia de "alguém" presente, é o puro experimentar, algo que acontece neste instante, neste presente momento. É isso que nós chamamos de Meditação. Meditação não é uma prática. Meditação é essa Consciência, Aquilo que não tem nome, plena Consciência, e o que prevalece é o Silêncio. Tudo o que aqui triunfa é a Verdade. Eu triunfo! E não significa uma vitória sobre alguma coisa, não é o triunfo de uma vitória. Este triunfo é essa autofulgência do Ser, essa autofulgência divina, Presença... A Verdade, a Liberdade, a Paz e o Amor, o Amor sem o seu contrário.

Não é do "amor" que tem o seu contrário, que "carrega" o ódio e não é o real Amor, de que estamos falando. A liberdade que carrega o seu oposto, como escravidão, não é essa a liberdade de que estamos falando. A paz que carrega o conflito, como o seu contrário, não é essa a paz de que estamos falando. Não estamos falando de uma não-mente, que seja contrária à mente. Essa não-mente é algo inteiramente diferente, fora de toda ideia, de todo pensamento sobre isso, que não tem oposto, não tem contrário. Esta liberdade não tem contrário, este amor não tem contrário, esta verdade não tem contrário. E tudo isto é você em sua Natureza Real, livre do ego, e livre de todos os problemas, conflitos, desejos e medos, receios, anseios, preocupações e aflições, estes que o sentido de separação, o desejo de vir a ser, a ilusão, a crença e esse "alguém" conhecem.

Então, é possível realizar Isto. É possível viver Isto e viver Isto significa a própria vida. A própria vida é aquilo que acontece neste instante, quando todo o passado e futuro morrem, e não se carrega mais nenhuma forma de crença e de preconceito, nenhum medo e desejo... É quando acontece nesse instante a morte para este segundo que passou, e somente nessa morte há o renascer, que não é o renascer de alguém que morreu.

Renascer não é uma palavra adequada aqui, pois não é o que morre que renasce; este renascer é o sentido da própria vida, é a própria vida, acontecendo momento a momento. Apenas a mente conhece o passado e o futuro, enquanto você em sua Natureza Real, que é Silêncio, Presença, Ser, Verdade, Amor, Liberdade, Vida, permanece agora, neste instante, como aquilo que é imutável, aquela coisa atemporal, indescritível, inominável. Aquilo não tem nome. Aquilo é Um, como um único espaço, onde as aparições, as formas e os nomes aparecem, e, no entanto, isso permanece imutável.

Essa é a única forma, a única maneira, não há nada que você possa fazer. A única coisa aqui é se aquietar e relaxar, e assim poder respirar Isto: esta atmosfera de Pura Consciência, de Pura Presença e de Pura Graça. Sinta isso, e fique nesse puro experimentar direto, sem nomeá-lo. Esta fala nasce deste Estado fora de todos os estados, da Presença, da Graça, do Silêncio, e este escutar e o sentir acontecem neste mesmo lugar.

Nesses encontros você é tocado por esta Presença, pelo poder desta Graça. Como nos colocamos agora no início, não é a fala, o conteúdo da fala, que importa, pois não há nada sendo dito. Não são as palavras, o verbalmente manifesto, que importam, e sim Algo presente além da fala. Há tantos palestrantes no mundo, existem tantas palavras nos livros, existem tantos livros, tantas falas, mas não é isso.

Sem quaisquer pensamentos, sem qualquer palavra, sem qualquer ideia, é possível permanecer assim, e então Essa Coisa imensurável se revela como a Única Verdade.

 Vamos ficar por aqui. Valeu pelo encontro. Namastê!



*Transcrição de uma fala de um encontro online no dia 19 de Agosto de 2015
Encontros segundas, quartas e sextas-feiras às 22h - Participe! 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações