quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Deus não é Espiritual - Paltalk Satsang


Vocês sabem que nesses encontros nós estamos investigando essa Verdade, fazendo uma investigação acerca daquilo que somos. Essa simples alegria de ser é algo que se tornou anuviado pelo mundo de conceitos, crenças e ideologias, nessa busca de algo maior do que a simples vida do dia-a-dia. Em razão disso, nós estamos confiando na suposta pessoa que acreditamos ser, nessa busca de conceitos, crenças, filosofia e religiões que nos trouxeram a esse ponto, que é a confiança de alguém presente, que vive e faz escolhas, acumulando experiências e conhecimentos, esforçando-se para se tornar "alguém" no mundo. Estamos dizendo em Satsang que tudo isso é um sonho, como os da noite, onde o mundo imaginado pelo pensamento se apresenta.

Essa pessoa, na verdade, é só uma lembrança. A pessoa é apenas memória, que é apenas imaginação, e esse é o sonho. Essa pessoa busca liberdade, mas sendo só imaginação e memória nesse conjunto de crenças e idéias, está em busca de uma  liberdade dentro do jogo chamado espiritualidade, que é uma outra forma de busca, embora mais fina e requintada. A mente cansou do mundo e passou a buscar fora do mundo. É o que acontece a vocês. O buscador é a mente, nessa imaginação e no sonho, que está em busca do próprio sonho; a imaginação em busca daquilo que ela mesmo imaginou, e assim o jogo continua.

A mente vai transformar qualquer coisa em parte de sua ambição, nesse ou no outro mundo, mas sempre dentro dela mesma, transformando qualquer coisa num fazer para chegar lá, num esforço para obter algo. São os jogos maravilhosos da mente em seu trabalho, naquilo que ela é boa, sempre buscando, querendo e esperando. A mente tenta escapar do passado, que é memória, e busca o futuro através de desejos e projeções de sonhos; é um sonho atrás de um sonho, que também é imaginação.

A visão que você faz de si mesmo lhe dá a imagem que tem do mundo, que é uma fantasia, um sonho, uma ilusão. Essa sua vida é uma ilusão. A mente vai sempre sussurrar baixinho que existe uma outra possibilidade, inventando uma outra coisa, nesse mercado da conquista, nesse mundo ou em outro mundo.  O que você pode fazer agora?

Estamos desejando essa Realização, que é o fim desse mundo de imaginação na mente, mas você sempre termina se perdendo nela. Você nunca consegue ver o mundo de verdade naquilo que ele é, pois a mente sempre está configurando tudo isso em seus próprios termos.

Enquanto a mente estiver presente, a ilusão estará também, com todas essas avaliações e conclusões fragmentadas e, por isso, parciais. É preciso soltar a mente, soltando esse processo de estar estabelecido na imaginação, como todas as crenças, imaginações, pensamentos e julgamentos.

É preciso soltar esse modo de ver, sentir e ser, que a mente representa. A pessoa é isso: uma ilusão. Você como uma pessoa é uma ilusão. Agora mesmo, deixe a idéia de alguém presente ouvindo e se permita ouvir sem alguém, sem tirar qualquer conclusão dessa fala, sem obter qualquer certeza. Não deixe que isso que aparece se torne mais uma crença para você. Temos que usar palavras aqui, mas são apenas conceitos verbalizados que não têm importância. A mente adora palavras e se alimenta de conceitos.  As conclusões e crenças de todos os tipos são os músculos da mente. A força da mente está em suas crenças e conclusões.  A mente ama isso.

A boca aqui faz uma fala. A mente se agarra às palavras, transforma-as numa crença e dá força para ela, aumentando a estrutura da pessoa, o que lhe mantém prisioneiro no sentido de ser alguém. Se a mente diz "eu preciso soltar isso", ocorre mais um desejo, mais um sonho, baseado em fantasia e imaginação, mas não funciona assim.  A mente sempre perde o ponto.  Ela adora passado e futuro, que lhe dão vida, mas sem ambos ela fica desempregada e seus músculos atrofiam, suas crenças e conclusões perdem a importância.

Eu sei como você se sente quando, na mente, me escuta.  Essas palavras soltas estão apontando para o fim da mente, e isso é a ultima coisa que ela quer ouvir. Então, você fica assustado, mas ainda está aí.  Permita-se apenas ouvir, pois não é uma questão de fazer, mas sim de constatar. Fazer requer tempo, enquanto constatar é algo imediato. Somente de imediato pode ser contatada a verdade e a realidade disso.

A mente quer sempre algo para fazer, mas eu nunca dou nada para ela fazer. Vocês já tentaram tudo. Estamos fazendo algo a nossa vida inteira, mas nada satisfaz a mente.  Alguns acham que terão maior satisfação em Satsang, algo mais amplo e profundo.  É assustador saber isso, mas aqui é o fim da mente, da ambição, da busca e do desejo de satisfação.  Aqui seus desejos, motivações e sonhos viram areia fina de praia na mão e que corre pelos dedos.  Veja como é isso, quando fica muito pouca coisa depois que a mão abre. Tente fazer isso com água também; tente agarrá-la e depois abra a mão e veja o que fica.

Tanto a ambição material, como a espiritual se comportam assim, mas você não pode ter isso aqui. Se você quer ser um "ser espiritual", esse não é o lugar para você. O ser espiritual, ou um mestre ascencionado, está sempre crescendo para se tornar "alguém mais evoluído". Deus não é um ser espiritual. Você em sua natureza real não é espiritual, mas, sim, Deus que é Consciência; não é "alguém".

O despertar é o fim da ilusão desse sentido de separatividade, não tem nada a ver com ser espiritual; é esse mergulho no desconhecido, naquilo que você já É. Essa é a real verdade em sua totalidade.

Esta é a alegria real, inocente, pura e verdadeira, sem contaminação mental. Nossa natureza verdadeira é o amor incondicional, que é Deus; não é um conceito maravilhoso, mas algo muito real. Isso significa a morte de tudo o que você já conheceu, desse "você" que acha que é, e ainda alimenta isso.  Deve ocorrer uma abertura para Isso aqui presente, que sempre foi e sempre é.

Essas falas são contraditórias, alguns acham confusas, outros pensam que não elas dizem nada. Estão todos certos, pois estamos sempre apontando para esse espaço não contaminado. Chuva, guerra, neve, tudo vem e vai, assim como sensações, pensamentos e emoções, nessa Presença, livre do seu conteúdo.

Vamos ficar por aqui.
Paltalk Transmitido e revisado a partir de uma fala via Paltalk Senses no dia 02/02/15
Encontros todas as segundas, quartas e sextas as 22h horário de Brasília - É gratuito - Participem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações