sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

A Vida sem o Eu e sem o Mundo - Paltalk Satsang



Satsang é o encontro de investigação da Verdade, que constitui um espaço não contaminado pelo que acontece. Investigamos essa abertura que é uma transparência e podemos chamar de Consciência. Nós não temos como nos aproximar, de uma forma direta, para verificarmos Isso onde tudo acontece.  Somente pela investigação do conteúdo presente neste espaço é possível este trabalho. Estamos investigando o movimento da mente. Essa Presença engloba todas as coisas e permite que tudo seja exatamente o que é, permanecendo não contaminado.

Assim, a dor e a raiva vem e vão, como todos os conflitos que aparecem e desaparecem, pois são conteúdos nesse não contaminado espaço que chamamos de Consciência. Eles são como as nuvens que aparecem no céu, enquanto o espaço permanece como está, para dar lugar a uma nova nuvem que aparece posteriormente.

Para estar exposto à verdade final é necessário assumir essa Consciência onde nada é desprezado, pois tudo o que aparece é apenas conteúdo. Se você pretende constatar essa verdade final, é necessário não estar identificado com o conteúdo, e aqui estamos diante de algo muito importante que precisa ser visto. Não há nenhum mundo, bem como nenhum "eu" para ver o mundo. Essas ideias de alguém vivendo no mundo significa estar se confundindo com o conteúdo.

A Graça que sempre buscamos nunca esteve ausente. Ela é a Vida, sem a noção de um "eu" presente no mundo, em que há o colapso da ilusão do "eu experimentador" e permanece sempre como um milagre presente. Essa é a Paz, a Liberdade e a Felicidade, que somente ocorre na ausência desse ego experimentador.

Há uma estória Zen onde o mestre pergunta se o discípulo terminou a sopa. O discípulo responde que sim. Então, o mestre diz que está na hora de lavar a tigela. É simples assim:  o pensamento e o mundo sendo experimentados não entram. É a vida acontecendo sem o "eu" e sem o mundo, apenas nesse instante, aqui e agora; apenas o ouvir e o falar, sem "alguém" nessa experiência. Quando a Graça está presente não há nenhuma crença, ideia, afirmação, certezas ou negações, pois não há nada certo ou errado; há somente o direto experimentar, sem o experimentador - a Vida que acolhe tudo.

Tudo o que está aparecendo nesse instante é somente a Vida, sem "alguém" dentro dela. Você é esse espaço sem resistência, rejeição, desejo ou medo. Você é apenas o corpo em seu movimento de tomar a sopa e lavar a tigela, sem propósito ou ambição, não havendo qualquer medo, porque não há desejos e, consequentemente, não há frustração.

Mente é sempre sinônimo de interpretação, logo ela não pode apreciar a vida como se apresenta. A mente sempre colore. É como você ver tudo escuro à sua volta, com óculos escuros, ou tudo amarelo, com uma lente amarela, assim sendo para qualquer cor. A Vida não carrega conflito, mas não é possível para a mente deixar de ter conflito. A Vida é você como essa Presença, transparência, Consciência. O conteúdo não importa, porque são aparições momentâneas com as quais você não se identifica. Você é a transparência que atravessa tudo isso, sendo o espaço onde tudo aparece. Isso é Meditação. Não se confundir com a ilusão da "pessoa" presente na experiência é a verdadeira Meditação.

Obrigado a todos. Vamos ficar por aqui! 

Namastê! 

Fala transcrita e revisada a partir de um encontro via Paltalk Senses no dia 11/02/2015
Encontros todas as segundas, quartas e sextas, às 22 h (horário de Brasília), exceto em períodos de retiros e encontros presenciais que coincidam com os dias de encontro online.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações