quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

A Autorrealização e o Conhecimento




A Autorrealização, ainda que também possa ser apontada por meio de palavras, não pode ser reduzida ao campo do saber através do uso de qualquer terminologia.

Todas as palavras ditas por Aquele que floresceu em seu Estado Natural não podem ser utilizadas como base para uma discussão de princípios que norteiam a autorrealização.

Aqueles que leem sobre este assunto estão mais perdidos do que aqueles que nunca ouviram falar sobre. Toda e qualquer leitura sobre autorrealização é na verdade um convite, um chamado, para estarmos na Presença daquele que é "autorrealizado", e não um meio para se adquirir o real conhecimento sobre o tema.

Somente a atmosfera da Presença daquele que atravessou para a outra margem do rio traz, em si, a fragrância do desconhecido, que, por meio da ação de um elemento estranho e incompreensível para a mente, por alguns é chamado de Graça, por outros de Consciência, Shakitipat, intervenção divina, etc, pode compartilhar isto por meio da sua Presença, da sua imagem, do seu silêncio, do seu abraço, do seu toque, do seu sopro, do seu olhar, da sua lembrança e da sua fala, ou seja, a autorrealização não é transmitida a partir de um conhecimento ordinário e que não pode ser divulgada em livros. Livros apenas podem levar ao conhecimento de todos, que com eles têm contato, que existe, sim, um estado sem ego, disponível para todos aqueles que anseiam pela verdade.

Mas a mente é muito hábil em criar a impressão dentro de um aspirante à autorrealização de que ele possui o conhecimento necessário para trilhar a própria senda de sua autorrealização, e, com base na lógica, na comparação, nos estudos, no contato superficial, sem a devida entrega e rendição em Satsangs, na sua autoconfiança, na habilidade da fala através de sua eloquência, é capaz de falar sobre o assunto, como um verdadeiro especialista, além disso, para a sua desgraça, convencer a si mesmo de ele agora possui o real conhecimento sobre a verdade.

Sem este elemento que é a Graça, sem vivenciar com profundidade a comunhão de coração com aquele que é autorrealizado, sem a rendição à Luz de Sua Presença, sem a simplicidade e a inocência, torna-se impossível descobrir o que é Estado sem ego, o que é a não-mente, o que é o Estado Natural. É aí que muitos nadam, nadam, e morrem sem sair da praia.

Venham olhar nos olhos daquele que se encontra mergulhado nessa verdade, vivendo em seu Estado Natural, compartilhando através daquilo que Ele é, a autorrealização.

Acesse a nossa agenda e programe-se para estar conosco. Este é uma chamado da Graça, um chamado para um encontro com a Verdade!


Tom de Aquino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações