sábado, 20 de setembro de 2014

Paltalk Satsang: A Verdade é Mergulhar no Coração





Vocês sabem que Satsang propõe a Liberação. Alguns chamam essa Liberação de Iluminação ou Autorrealização, ou simplesmente ver aquilo que É. Na verdade, é impossível nós conhecermos uma palavra que possa definir isso. Iluminação significa realizar a si mesmo. Esta realização de si mesmo, a realização de sua Natureza Real, é tudo isso que nós procuramos, buscamos, do lado de fora, durante toda a nossa vida, por meio de caminhos indiretos.

Nosso maior impedimento é a própria imaginação acerca disso: a imaginação que a mente cria acerca dessa verdade, dessa realidade tão simples, que é o despertar. É algo infinitamente muito mais valioso do que isso, do que criar qualquer expectativa além disso. A verdade é mergulhar no coração.

Então, a resposta para essas questões fundamentais não vão resolver nada. Todas essas respostas intelectuais e verbais são apenas mais conceitos, mais crenças. Realização, despertar,  é o fim do sentido de separatividade; é o fim do sentido de alguém presente nessa, assim chamada, “vida de procura”, uma vida de medo. 

A realidade desses “ensinos”, que nós temos em Satsang, é apontar para além da necessidade de aprendermos qualquer coisa. Então, esses “ensinos” não são ensinos, no sentido literal da palavra. Você não pode ganhar isso, merecer isso, alcançar isso. Você não pode obter isso, degrau por degrau, numa escalada, como alguém que escala uma montanha e vai deixando as pedras e os obstáculos para trás, crescendo à medida que vai deixando esses obstáculos para trás. Aqui não se trata de uma evolução ou de um crescimento, no sentido em que conhecemos. Não existe nenhuma razão para que você continue acreditando nisso, imaginando algo sobre isso, através de seus esforços. Estamos apontando e estamos dando a você dicas sobre Isso; é Isso que nós chamamos de Real Ensino. Estamos falando que esta é uma ação dessa Presença, dessa Graça, algo que vem naturalmente nessa Entrega. A Liberação não é mais um sistema de crenças.

E a mente pensa: “depois que criarmos esse sistema de crenças, nos tornaremos livres’; ‘depois de lermos alguns livros, nos tornaremos livres’; ‘depois que aprendermos algumas coisas, nos tornaremos livres’; ‘assim que adquirirmos certas conclusões, nos tornaremos livres”. A mente não pensa de outra forma. Nesse despertar, nessa realização, não há caminho. Nenhum caminho pode lhe dar isso, lhe permitir isso. Nenhum caminho pode explicar Isso e tornar Isso viável para você.

Então, as pessoas estão entendendo mal tudo isso. Elas acreditam que, enquanto pessoas,  podem viver tudo isso, sendo acrescentado algo a elas. Ainda nessa crença, que são "pessoas"; pessoas evoluindo, crescendo, se espiritualizando, ou seja, através de seu próprio mérito a pessoa chega lá, naquilo que a mente imagina, especula e acredita. Entretanto, a Realização é algo presente nesse lugar, nesse tempo, nesses, assim chamados, lugar e tempo. É algo presente em toda parte e é algo presente em todos os tempos. Eu diria, também, que é algo presente em nenhum lugar e em nenhum tempo; algo presente como pura Presença, como pura Consciência, não espacial e algo atemporal. É a simples remoção de toda e qualquer ilusão, o fim dessa ilusão primária: a ilusão do sentido de uma entidade separada presente. Significa o fim dessa nuvem que impede a percepção da Realidade.

Como temos dito, essa Real Liberação é a única medicina para curar você dos outros estados mentais e espirituais que nós conhecemos. Essa única medicina acontece como a real cura, para aquele que na verdade nunca foi um paciente. Essa cura é o desaparecimento desse paciente doente, carente, necessitado; é o desaparecimento desse eu, desse ego, desse sentido de ser alguém, desse sentido de separação. É uma medicina que não é uma medicina, é uma cura que não é uma cura. 

A Verdade não se revela na palavra. A Verdade é algo presente, é algo vivencial, mas não é nada explicável, ou que possa ser traduzida em palavras. Palavras entram somente para remover imaginários obstáculos, criados por essa ilusão da mente, dessa mente que criou essa suposta separação, que é uma crença imaginária. É essa imaginária crença que lhe coloca um nome, dentro de uma raça, pertencendo a um grupo, sendo alguém materialista ou espiritualista; coloca você como alguém que viveu o passado, está vivendo o presente e irá viver o futuro. Estamos juntos?

Reparem como as pessoas fazem essas viagens tão longas, saem de seus países, para virem para a Índia. Na mente dessas pessoas, a Verdade é algo do lado de fora e elas precisam de um grande deslocamento do lado de fora. Precisam viajar milhares e milhares de quilômetros para encontrar a Verdade. É, de fato, maravilhoso estarmos juntos olhando para isso, para esse maravilhoso milagre que é a Verdade de Deus.

As pessoas se submetem a todo tipo de dieta alimentar, como se a Verdade pudesse ser encontrada, como se esse sonho de separatividade pudesse ser desfeito pelo próprio sonho de alguém; um alguém fazendo alguma coisa, realizando alguma coisa, deixando de fazer alguma coisa ou abrindo mão de fazer alguma coisa. O fazedor é sempre uma ideia, é sempre uma crença, é sempre um sonho. Realização não tem nada a ver com fazer ou deixar de fazer. Não há um caminho nesse fazer, ou deixar de fazer, para constatar a Verdade desse "não alguém", desse "não autor", desse "não fazedor". Existem milhares e milhares de livros, talvez milhões deles, ensinando isso para você; ensinando o que você precisa ou não precisa, o que precisa fazer e o que precisa deixar de fazer, ou o que não precisa fazer para realizar Isso. Também, ensinando que você precisa viajar para longe, praticar muita coisa e aprender muito, estudar muito.

A Liberação não é uma forma de psicoterapia para nos curar, para nos libertar; não é uma forma de aprendizado para nos fazer escapar de todas as dificuldades da vida, de todo o sofrimento da vida. De início, porque tudo aquilo que chamamos de sofrimento, males, problemas, ainda é a mente; não há alguém que possa escapar disso, não tem alguém presente para escapar de tudo isso. Segundo,  porque o grande e verdadeiro problema humano não é a vida e seus problemas, mas é a mente em sua confiança, a mente em sua leitura acerca do que é a vida ou do que deveria ser a vida. Estamos juntos?

Vamos ficar por aqui. Namastê.



Fala transcrita, revisada e corrigida, a partir de um encontro online via Paltalk no dia 10 de Setembro de 2014
Encontros todas as segundas, quartas e sextas feiras às 22h. Baixe o Paltalk gratuitamente e participem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações