domingo, 28 de setembro de 2014

Paltalk Satsang: Na Claridade da Simplicidade de Ser!


Nós estamos nesta claridade, na claridade da simplicidade de ser, onde nosso olhar está apontado para esse lugar, que é Consciência; para esse lugar que é Presença; para esse lugar que é a Verdade. Este lugar não é outra realidade, separada desse instante; não é uma verdade separada daquilo que se apresenta nesse momento. É a Verdade sem nenhuma mudança, sem nenhuma separação. Nossa ênfase em Satsang é para que você mergulhe nessa claridade, na simplicidade de ser. Isso só é possível nessa entrega, nessa confiança, nessa disposição de se abandonar em Deus, de se permitir a não resistir a essa Presença.

A visão mais comum é a de que nós conseguimos fazer isso sozinhos; que podemos realizar isso sozinhos e que somos fortes o suficiente para realizar isso. Acreditamos que nós temos toda a energia, capacidade, habilidade, inteligência e poder para realizar isso, mas é uma ilusão. Estamos sempre colocando para vocês a importância dessa entrega. Isso é algo tão sutil, algo tão fora dessa presunção e dessa mudança da mente, que a mente tenta transformá-lo em algo dela. Então, você pode passar a vida inteira tentando se render, tentando se entregar, sem de fato saber o que isso significa.

É algo que é simples e Natural diante da Presença de um Mestre vivo, mas que se apresenta como alguma coisa impossível, incapaz de ser feita, quando está afastado dessa oportunidade chamada Satsang.

Satsang é um presente Divino, um presente de Deus, uma dádiva sagrada; a oportunidade de se deparar com isso, reconhecer isso, mergulhar nisso, se entregar inteiramente a isso. Então, o trabalho acontece de uma forma bem natural, não é você quem faz. Despertar não é uma ação sua. A entrega é um movimento da própria Graça, onde você apenas participa desse movimento. Você não está separado da Graça nesse movimento de entrega, mas a mente pode teorizar sobre isso - é o que ela faz muito bem. Você descobre o que é entrega na entrega, mas quem realiza isso é essa Presença. Nesse sentido, o Guru é fundamental. 
 Guru é sinônimo de Satsang, sinônimo de trabalho, sinônimo de não resistência ao que É. O ego, em sua arrogância, se manterá constantemente teorizando sobre isso. É a natureza da mente escapar disso, viver constantemente afastada disso, porque Isso é a morte da mente. Aqui, a morte da mente é o fim da ilusão; o fim da ilusão de alguém no controle, alguém na ação. Por isso que nunca funciona, nunca dá certo. 

Alguns que escrevem e-mails pra mim, outros em encontros presenciais, estão sempre  diante dessa pergunta sem resposta. A pergunta é: o que é que está faltando? Porque não acontece? A pergunta é sempre a mesma, só muda o formato dela. Aqui, nos falta essa clareza da entrega, essa imprescindível entrega, a simplicidade da entrega. Nos falta essa não resistência ao que É. É bastante cômico, muito, mas muito engraçado, esse diálogo que acontece entre nós. Vocês se aproximam e querem Isso como uma coisa muito urgente; urgente dentro das condições que vocês acreditam, de forma inconsciente, é claro. Querem saber como isso deve se processar, como isso deve acontecer. Na mente vocês nunca estão dispostos a ouvir. Vocês querem compreender isso, querem tornar isso razoável e, claro, nos termos da mente; depois irão pensar (aqui, pensar é analisar) se vale a pena ou não se render, se entregar, deixar tudo por isso. Isso leva muito, muito tempo. Vocês podem levar a vida inteira nessa coisa.

Essa Presença, essa Graça, esse Ser, essa Consciência, Deus, o Guru, como vocês queiram chamar isso, irá continuar esperando por você. Em toda a eternidade, além do tempo, irá esperar isso, esperar essa entrega, essa sua parte, que é a parte da Graça ainda. Eu sei que é paradoxal, mas é assim. Você não vão compreender isso, não precisam compreender isso, não há como compreender isso. Podem continuar tentando. Podem continuar ajustando intelectualmente frases soltas, ou não soltas, de textos que vocês encontram ou escutam, e as crenças e ideias que vocês já trazem, mas isso não vai funcionar, pois não é assim que acontece. Não é do seu modo, nem nas suas condições, nem dentro da sua condição. Podemos ficar encantados com algumas coisas que ouvimos ou com as leituras que fazemos. Podemos achar interessante, sábio, divino, algo inspirador, mas e daí? A Realização não está no campo do intelecto, não está no campo da emoção. Não basta a coisa ser romântica ou inteligente, no sentido de ser compreensível ao intelecto, para funcionar. Realização é o Despertar de sua Natureza Real, que está além do tempo, além do corpo e além da mente. Despertar é o fim da loucura, da loucura de ser alguém. Vocês estão identificados com a imagem de ser mãe, pai, filho, marido, esposa, do sexo feminino, masculino. Na ilusão de estarem no corpo, vivendo no mundo, na ilusão de ser alguém.

Estamos falando dessa simplicidade, dessa claridade. Estamos falando da clareza dessa simplicidade, da simplicidade dessa claridade de Ser. É o Puro Ser, simplesmente Ser, e, claramente, Ser Deus, Consciência, Presença, além do tempo e espaço, além do corpo, da mente e da experiência do mundo - mental e sensorial. Não estamos falando nada místico, nada esotérico, nada espiritual. Estamos falando sobre essa possibilidade de ser aquilo que você nasce para ser: Felicidade, Amor, Paz, Liberdade. Viver livre do ego, inveja, medo, ciúmes, desejos, receios, anseios, temores; a lista é grande, é enorme. Há muito medo nessa crença, nessa ideia, nesse estado hipnótico de se mover nesse mundo. Há muito medo, porque no ego só há medo, muito medo. Estamos juntos?

Nós estamos apontando essa Verdade para você: a Verdade da suprema felicidade, da Realização de Deus. Amor é sua Natureza, Sabedoria é sua Natureza, Felicidade é sua Natureza, Paz é sua Natureza. Enquanto não abandonarem o intelecto, não saberão o que é Isso. Eu sei que ouvir isso é devastador, é terrível, um tsunami, mas é assim. Precisam chegar a zero: zero de crenças, zero de teorias, zero de conclusões. Vocês estão cheios disso e, quando conversam comigo, é só o que expressam: conclusões. Eu acho muito engraçado, mas não posso rir diante de vocês, porque ficariam muito irritados comigo. Eu começo a dar algumas respostas e vocês não conseguem pegar isso;  logo já estão discutindo comigo (risos)... não demora muito, vocês começam a discutir comigo. Claro que isso é totalmente inconsciente, mas é um vício. Vocês "sabem" demais. Na verdade, "sabem" tudo; "sabem" até realizar Deus, a Verdade sobre si mesmos (risos). Nós não temos esta clareza e simplicidade, porque não temos entrega. Quando eu lhe convido a vir ao Satsang é para ver se aqui, por ação dessa Graça, você consegue parar de brigar e discutir comigo, parar de reivindicar seus direitos de saber alguma coisa. Mas vocês já têm teorias sobre isso, muitas e muitas teorias sobre isso, e a crença de que já podem resolver isso sozinhos. Até agora não resolveram nada (risos). Simplesmente porque não dá crianças, não é assim... não é assim.

Vamos ficar por aqui? Já cansaram, não é? Namastê.


Fala transcrita, revisada e corrigida a partir de Satsang on-line via Paltalk Senses no da 15 de Setembro de 2014
Encontros todas às segundas, quartas e sextas às 22h - Baixem gratuitamente o Paltalk e Participem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações