quinta-feira, 24 de julho de 2014

Paltalk Satsang: Despertar é Assumir Aquilo que Você É!


Temos enfatizado a importância dessa associação, é fundamental estarmos juntos nesta associação, a Sangha é fundamental, ela é uma oportunidade que nós temos de uma interatividade, de interagirmos, logo fica clara dentro do Satsang que não somos alguém especial, não há alguém especial em Satsang, tudo o que estamos tratando em Satsang é a mente em seu comportamento, estamos investigando a natureza da Consciência. 

A Consciência ela é uma só, o Despertar é assumir aquilo que você é, é assumir a sua Verdadeira Natureza, isso significa dar um salto para fora dessa limitação, desta contração que é este sentido de separatividade. Esta Consciência que nós somos, ela se reduziu a si mesma, ela se reduziu a uma entidade, bem forte, vulnerável e separada, uma autocontração, o porquê disso? É algo que não tem nenhuma resposta, é apenas um jogo divino. Não é uma atividade que teve lugar em algum momento, que agora esteja numa situação em que nada pode ser feito para mudar isto, é só algo que está acontecendo nesse instante, nesse momento, essa Consciência que é o que chamamos de Presença, ela em si mesma é livre, atemporal, ilimitada, permanecerá sempre desconhecida. Desconhecida porque não está dentro dos limites desta própria contração, embora nesse instante esteja brincando com isso, aparecendo assim, ela aparece ser isso, mas ela não é isso, ela é aberta, livre, ilimitada, está fazendo essa atividade de separação.

É isso que nós chamamos de ilusão, aqueles que estão livres, reconhecendo a si mesmos em sua Natureza Verdadeira, chamam isso de a ilusão da ignorância, isso significa esta Consciência em contração, nesse mecanismo, nesse corpo mente, se imaginando como um fragmento, se imaginando uma entidade separada, vivendo como alguém, o ponto é que isso só parece ser assim, para essa suposta entidade presente vivendo dentro desses limites, o mundo parece externo, algo do lado de fora, há um eu dentro e um mundo fora, há um experimentador presente, experimentando todas as experiências, os pensamentos são experiências, as emoções são experiências, as sensações físicas são experiências, tato, audição, visão, paladar, são experiências, somente experiências acontecendo, mas aqui se encontra essa Consciência, contraída sobre ela mesma, como um experimentador em tudo isso, vivendo dentro do corpo, isso tudo na verdade é uma crença, uma crença-contração, uma crença experimentando, sentindo, pensando, sendo alguém, essa é a ilusão de você, desse você, que você acredita ser. E eu estou afirmando isso para você, não tem alguém aí. Há só a experiência acontecendo, nessa Ilimitada Consciência, nessa livre Consciência, nessa atemporal Consciência, nessa não conceitual Consciência. 

Não há ego, isso é uma ficção, a pessoa presente é uma ficção, o experimentador é uma ficção, o sofredor é uma farsa, isso é somente uma crença, apenas uma crença, muito convincente, sólida, forte, que a mente dia após dia confirma, como sendo algo real, e de fato não é, estamos juntos?

Como vocês sabem são falas espontâneas, nós vamos falando, e a gente vai colocando para vocês a coisa como funciona. Você está aqui para despertar, e despertar significa "soltar essa limitação", soltar essa visão do fragmento, essa visão da parcialidade, essa visão que faz com que o mundo, a vida, se torne algo muito ameaçador, muito assustador, de muita dor, de muito sofrimento, estamos dizendo para você que o mundo está aparecendo nessa Consciência, como algo presente não separado dela, isso significa você em sua Natureza Real sem medo, sem conflito, sem sofrimento, porque não há qualquer separação. 

É evidente que a Consciência ao se ver como um fragmento, se vê como algo separado, se ela se vê aprisionada no tempo e no espaço, e o mundo aparece como uma parte disso nessa separação, o conflito, o sofrimento, isto fica muito claro, muito patente, muito presente, e você acaba se negando a si mesmo esse direito natural, o direito natural de ser feliz, de ser amor, de ser paz, de ser liberdade, de ser felicidade, de ser Deus, de ser aquilo que de fato você é! 

Eles chamam isso de estado de sono. Aquele que se encontra em seu Estado Natural, assentado em sua Natureza Verdadeira nós chamamos de "acordado", aquele ou aquela aonde a Consciência está vivendo essa ilusão, este sentido do eu, este sentido de ser alguém, nós dizemos que este está "dormindo", isso é muito paradoxal, porque na verdade não é bem assim, parece ser assim ali, naquele momento, para aquele mecanismo corpo e mente. Aquele que está desperto em sua Natureza Real, não vê nada assim, não vê este sofrimento como sendo algo real, mas apenas uma aparição, apenas algo sem importância, aquilo que valoriza isso é essa ilusão, apenas a ilusão valoriza isso.

Alguma pergunta sobre isso que vocês acabaram de ouvir? Reparem que estamos trabalhando o nosso Estado Natural, estamos todos aqui nessa sala, nesse encontro ardendo, queimando por isso.

PARTICIPANTE: Mas então como acordar??

M.G: A resposta aí é: não há como! Acordar é possível, saber como isso se processa, como isso acontece, não se sabe, ninguém sabe, o que posso lhe dizer sobre isso é: Qualquer esforço que você faça, nesse estado de identificação com a mente, estando embolada nessa contração, nesse sentido de ser alguém, qualquer esforço seu não dá em nada, você precisa de um elemento novo entrando aí, esse elemento chama-se Graça, Presença, somente a Graça, somente a Presença, pode por fim a este sono, não é algo que você possa fazer, mas é algo que você pode atrapalhar muito, por um bom tempo, talvez por uma vida toda, se não se abrir a isso, se não ouvir esse chamado, se não atentar para isso, se não abrir o coração para isso. É preciso ter essa maturidade, a maturidade da entrega, a maturidade da simplicidade, a maturidade da não resistência, para ouvir esse chamado, o chamado da Graça, essa é a voz da Presença, é a voz da Graça, é a voz de Deus, é a voz da verdade. Quando há essa maturidade fica tudo bem mais simples, nós conseguimos reconhecer essa voz, atentar para ela, não resistir a ouvir, só então Deus faz o trabalho Dele.

PARTICIPANTE: Então não é uma busca...é uma espera?

M.G: Não. Nada de espera e nada de busca, é uma entrega! Aquele que busca e aquele que espera são parte da ilusão, já a disposição da entrega é esse elemento da Graça, operando de uma forma nova, tudo isso fica muito mais simples em Satsang Presencial, esta Presença, esta Graça, é essa Entrega, a busca lhe afasta disso, assim como a espera não faz nada, a não ser adiar essa coisa, é preciso sair dessa zona de conforto para a entrega, essa zona de conforto chama-se busca ou espera, na verdade é uma zona de conforto muito desconfortável, porque viver na mente, é muito, muito, muito desconfortável, viver dentro desse sentido de separação. Aqueles de vocês que ainda não estiveram em encontro presencial, apareçam! Este é um convite da graça, mais do que um convite é uma convocação divina, você nasceu para realizar isso, você nasceu para realizar Deus, você só tem isso para fazer, mais nada, eu vou repetir; mais nada! Você está aqui apenas para realizar aquilo que você é. Para mais nada. Vamos ficar por aqui? Namastê!

Transcrição de uma fala de um encontro online, via Paltalk Senses no dia 21 de Julho de 2014.
Encontros todas as segundas, quartas e sextas às 22h - É só baixar o Paltalk! Participem!


Um comentário:

  1. Marcos, acompanho todas as suas falas a alguns anos, intelectualmente compreendo oque você fala. tanto que não vejo o mundo como via antes, é uma coisa que me "enjoa" eu porto o meu corpo pelo mundo; Mais isto vai e vem; Li varias vezes a sua "historia" e como após ter lido o livro do Ramana Maharshi houve o inicio do seu despertar. Mas voce sempre diz que e necessário frequentar o Satsang para sentir a Presença a Graça, porem em seu caso foi diferente. Porque?. Namaste. Sergio Arraez.

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações