sábado, 10 de maio de 2014

Paltalk Satsang - A Porta da Graça



Que bom estarmos juntos, sejam todos bem vindos a mais um Satsang.

Estamos Diante daquilo que o nosso coração anseia profundamente, nosso coração anseia pela liberdade, todos estão em busca desta liberdade, o nível de maturidade é o que irá determinar aonde é que estamos buscando esta liberdade, este nível interno de maturidade.

Liberdade é o fim do conflito, é o fim de toda forma de sofrimento, nós temos falado sobre isso todos os dias, estamos falando e escrevendo sobre isso, nós estamos dando dicas sobre isso, estamos compartilhando com vocês, colocando diante de vocês uma porta aberta, estamos apontando para essa porta, uma porta no lugar de uma antiga parede, sempre esta parede esteve aí, agora essa porta está aí, a parede é tudo aquilo que você conhece, e a porta é a possibilidade do novo, do desconhecido, a parede é toda a programação, toda essa velha estrutura, todas as crenças, todas as formas de práticas espirituais, assim também como todo tipo de interesse em realizações mundanas, quando dizemos mundanas falamos dessas realizações nessa conhecida vida, onde todo o nosso interesse está assentado em adquirir, em possuir, em obter, em realizar do lado externo, do lado de fora, essa é a sempre parede presente, em Satsang você tem uma porta aberta para o novo, para o desconhecido, e para esse passo, para fora da mente, apenas um cuidadoso, atencioso e carinho olhar para essa porta, pode lhe permitir perceber o quanto seria interessante esta aventura, essa aventura do novo, do inédito, daquilo que jamais foi visto, nessa presente parede que esteve aí durante todo esse tempo. 

É por isso que você estranha bastante quando começa a nos ouvir, estamos falando de algo inteiramente desconhecido, para tudo que está aí nesse corpo e mente, nesse organismo, falamos de um estado inteiramente desconhecido, esse estado de não-saber, de não-querer, de não-necessitar, de não-buscar, de não se importar, o completo desinteresse por essas assim chamadas realizações, em todos os níveis, apenas um silenciar dentro disso, a vida nela mesma, solta, natural, sem qualquer posição fixa, apenas essa dança, a dança no desconhecido, o desconhecido na dança. Nenhuma preocupação quanto ao futuro, todo e qualquer resultado não importa, você não estará lá mesmo, nada pode voltar a se repetir, tudo o que já aconteceu, então não há medo, então o passado não tem importância, o futuro não tem importância, o presente não tem importância, a vida cuida dela própria, você não esteve lá mesmo, não estará lá mesmo e não está aqui mesmo, o tempo perde toda relevância, porque o pensamento perdeu relevância, isso é muito assustador, uma resposta da vida à vida, a vida em seu próprio movimento desconhecido e inseguro, incerto, em liberdade, atravessar essa porta significa isso, isso significa Suprema Inteligência, Suprema Verdade, aqui o supremo é o natural, o natural é o supremo, reparem que isso não tem absolutamente nada a ver com experiências religiosas, místicas ou espirituais. Esse é o natural despertar do desconhecido, do indescritível, do inominável...

Então reparem que estamos falando a você nessa noite, nesse momento, sobre aquilo que não é pessoal, não há nada pessoal aqui, aquilo que é mais assustador a princípio, se apresenta como a verdade mais encantadora de todas, exatamente isso liberta você do tempo, do pensamento, da imaginação, eu falo da verdade que você não é uma pessoa, não é a sua vida sendo vivida, é essa impessoal Presença, tomando conta de tudo, se movendo, sendo esse indescritível, esse desconhecido e inominável, essa é a verdade sobre você, nós não sabemos, na mente é impossível termos uma aproximação sobre o que é Satsang, isso não pode ser compreendido, entendido, não é explicável, essa porta aberta, a Graça que é essa porta aberta, nós estamos em um momento para o despertar, não é um momento do seu despertar, eu disse é o momento do despertar, desse natural despertar, desse divino despertar, desse sagrado despertar, esse despertar da vida, da Consciência, dessa ilimitada Presença, mantenha esse olhar para essa direção, atravesse essa porta, se permita não resistir a essa irresistível Graça, se abandone aí, se entregue, não lute, não resista, abandone sua arrogância, sua presunção, sua vaidade, essa ostentação, a ostentação da certeza, a ostentação de estar seguro, a ostentação do conhecimento, então isso pode fazer o trabalho, essa Graça pode fazer o trabalho dela, e esse trabalho não é só lhe apresentar a porta, mas atravessar essa porta, ela e você são um só, estamos falando de algo muito natural, algo que o poder dessa Presença realiza, então se abandone nessa simplicidade, se abandone nessa entrega, e deixe Ele cuidar de tudo, deixa ela cuidar de tudo, deixe isso cuidar de tudo, despertar é uma ação dessa graça, e essa graça é a ação de Deus. E essa ação de Deus lhe traz de volta ao lar, do qual você nunca saiu, tudo isso foi só um equívoco, apenas um equívoco, apenas uma distração, apenas uma afastamento temporário, como aquele afastamento do filho pródigo da casa do pai, o lar esteve sempre lá, e o pai sempre lá, é bem assim.

Vamos chegando ao final do nosso encontro. Até segunda feira!


Texto transcrito de uma fala do Paltalk do dia 09 de Maio de 2014
Encontros todas as segundas, quartas e sextas às 22h - Participem!

2 comentários:

  1. A consciência comum precisa ser perdida. Somos extremamente racionais.
    Que Deus nos perdoe.

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações