quarta-feira, 7 de maio de 2014

Paltalk Satsang - O Real Propósito em Satsang



 



Eu quero a princípio chamar a atenção para uma coisa aqui, a primeira que nunca é demais é a gente tocar em alguns aspectos desses encontros, um deles é que; nós não estamos nesses encontros para obter uma melhora, esta é a primeira coisa que precisa ficar clara para vocês, vocês não estão aqui para ter uma melhora de vida, há uma grande ilusão nessa procura do melhor, a procura do melhor geralmente está assentado no desejo de satisfação, no desejo de preenchimento, no desejo de alguma realização, e essa melhora é a melhora da pessoa, a pessoa pode ser melhorada, basta um novo conjunto de crenças e a quebra de antigos hábitos, e aí você tem a pessoa melhorada, melhorada dentro dos conformes dessas novas crenças e dentro desses princípios, e o fim de antigos hábitos, quando ela adquire novos hábitos se torna uma pessoa melhor. 

Se você está em Satsang para que a sua vida possa melhorar e, que você possa crescer aqui, você está na sala errada, isso é a primeira coisa que precisa ficar claro aqui, por isso é preciso voltar sempre ao básico, mesmo que seja assustador em ouvir, mas eu te desafio a ouvir isto aqui pela primeira vez, que você não tem qualquer importância aqui nessa sala, não existe ninguém aqui para ser melhorado, você não está em Satsang para um novo conjunto de crenças, para adquirir uma nova ideologia, novos critérios para viver... Nós não temos qualquer interesse na pessoa, melhorar pessoas é coisa para educadores, professores, sacerdotes, doutores, professores, pais, mestres... Aqui estamos interessados, no fim dessa ilusão, na ilusão de alguém que tem a necessidade de crescer, evoluir,, progredir, chegar em algum lugar, diferente desse lugar aonde você exatamente se encontra, é exatamente isso que você ouviu, você já está no lugar do qual você não pode sair, qualquer aparente movimento para fora desse lugar, é só um movimento da mente, dessa suposta pessoa se movendo. 

Nós tratamos aqui da LIBERAÇÃO. Isso tem sido mal compreendido, a mente projeta isso, e a liberação para a mente é um esquema confortável, livre do seu estresse, de seus aborrecimentos, de sua ansiedade, de preocupações, e todas as formas de medo que a mente conhece, para a mente a liberação é o fim disso, assim ela tem um ideal do que seja a liberação, ou seja, este ideal de liberação ainda é algo dentro do seu próprio projeto, liberação como nós colocamos essa palavra aqui, significa algo completamente diferente disso, liberação é o seu estado naturalnão significa uma vida não tocada por algum problema, por alguma diversidade, por algum contratempo, por alguma dificuldade, não significa isso, significa o fim da ilusão de que há ''alguém'', passando por isso, alguém que é vítima dessa coisa, alguém com falta de saúde, com falta de paz, falta de alegria, alguém com falta desse ou daquele preenchimento, alguém com falta de alguma satisfação, alguém com falta de alguma realização, quando falamos de liberação estamos falando desse estado natural, no qual, tudo aquilo que está presente agora nesse instante, não está separado de sua natureza verdadeira, isso significa que a noção da falta, ou da suficiência, não tem mais qualquer importância, ela só tem importância para a ''pessoa''.

Todos os lugares, todos os espaços, todas as associações e reuniões aonde se trata desse aprimoramento, desse crescimento, dessa evolução ou esta ampliação dessa suposta pessoa, são espaços, lugares, bastante concorridos, tudo o que a pessoa não quer é desaparecer, vocês mesmos dentro dessa sala, temos aqui no número de vinte três participantes, é um número consideravelmente grande dentro de uma sala do Paltalk, em média uma boa sala bastante concorrida aqui tem uns dez, onze participantes, isto significa que dentro de alguns minutos isto possa reduzir drasticamente.

Não sei o que lhe traz aqui, se o que lhe traz aqui é o aperfeiçoamento, você está em maus lençóis, se você quer uma felicidade que você tem projetado, uma espécie de padrão de vida onde você possa se auto afirmar, onde você troca de carro todo ano, ou qualquer outro tipo de projeto que você tem, nós estamos aqui olhando para a natureza da realidade, olhar para a natureza da realidade significa soltar os padrões de crenças, acerca do que é esta realidade, acerca do que deveria ser essa realidade, assim as crenças não tem qualquer importância, as ideias sobre isso não tem qualquer importância, o que importa de fato é aquilo que aqui chamamos de despertar, o despertar é o fim da ilusão sobre a realidade, isso significa o fim daquilo que você conhece como sendo você, com todos esses projetos, todas essas invenções, motivos e desejos, reparem que uma fala como essa nos conduz a esse desesperador zero, nada, não alimentamos os seus ideias, não alimentamos esperanças nesses espaço, este não é um espaço de conquistas, uma fala dessa pode soar muito negativa, mas na verdade ela aponta para algo além de toda a negatividade, ela aponta para algo além de toda positividade, aquilo que a sua mente jamais sonhou de positivo ou aquilo que a sua mente, tem por mais negativo, isso não tem nada a ver com aquilo que a gente está colocando aqui, estamos apontado para a sua natureza real. 

Sua natureza está além dos opostos, além do negativo e do positivo, além da conquista ou não conquista, além da vitória ou da derrota, além da riqueza ou  pobreza, além do ter ou do não ter, além da ideia de ser ou da ideia de não ser, estamos apontando para o seu estado natural, seu estado que vê este instante, esse momento presente sem qualquer separação nele, não é bem um estado, é a liberdade do funil de todos os estados, é exatamente quando a mente estabiliza num determinado estado, quando ela estanca ali, que nós temos a falsa sensação de que há uma identidade presente, naquele estado, nesse estado, não há essa fluidez, não há essa liberdade, e é dela que estamos falando nesse encontro, não é a liberação de alguém, a liberação de alguém seria o fim de um estado conhecido, a exemplo disso, um estado de depressão, ansiedade ou medo, a pessoa tem essa coisa, ela quer se livrar de estados que ela considera negativo, mas ela busca estados aos quais ela considera positivo, estados de euforia, de satisfação, de alegria, de prazer, quando nós chegamos aqui e dizemos para você que; essa liberação é o fim de todos os estados, não estamos dizendo que os estados precisam desaparecer, simplesmente estamos dizendo que todos os estados aparecendo ou não, não fazem qualquer diferença para aquilo que é a sua real natureza, para o seu estado natural que é livre de todos os estados, que não detém o que quer que esteja aparecendo, não detém sensações, pensamentos, sentimentos, emoções, não segura nada, isso que chamamos de liberação, tratamos fervorosamente dessa coisa nesses encontros, "apaixonadamente" estamos apontando para a sua natureza real, sua natureza livre, sua natureza em liberdade, na qual você não mais aparece como um entidade importante, esta entidade que sempre está se defendendo e nessa defesa sempre resistindo, e nessa defesa sempre se mantendo no medo, liberação é ausência do medo. Ausência do medo está nessa ausência de resistência, abraçar, acolher, sem segurar, o que se levanta e o que cai, o que vem e vai, o que chega e depois parti, isso significa desconsiderar esse centro, essa autoimportância na experiência, estamos juntos?

Complicado isso? Vocês não estão aqui para descobrir o que significa uma vida livre do ego? Pois estou falando o que é uma vida livre do ego, que é uma vida livre da ideia de que você está vivo, de que a vida é sua, de que você é importante dentro dessa sua vida, nós fomos educados para acreditar nisso, que aquele que chupa a laranja é superior a laranja chupada, que aquele que come a bacana é superior a banana que é comida, na verdade é só um movimento chamado vida, aquele que come e é aquilo que é comido desaparecem no mastigar, no engolir, não há alguém nesse processo, nesse processo único chamado vida, eu sei que bate um desespero, (risos), ou é um grande alívio ouvir isso.

PARTICIPANTE: Como enxergar dessa forma?

M.G: Não há uma fórmula para isso, eu diria que há um exercício do coração que lhe capacita a aprofundar isso, mas você precisa estar bem atento a esse coração em exercício, porque a mente vai continuar o tempo todo procurando dar um significado especial dentro do contexto dela, algo particular dela, e aí você termina sendo capturado, é muito rápido deslizar com a mente para dentro do significado que ela dá a vida acontecendo. Por que estamos sempre lhe aconselhando a vir ao Satsang? É que aqui há de fato um perfume daquilo que estamos falando, não é só uma fala sendo ouvida, há algo que acontece nessa proximidade que lhe favorece essa desistência,  desse separar como este experimentador da experiência, é quando esse “enxergar” sem separação acontece. Seu estado natural é simples depois que ele assenta, é preciso uma harmonização do corpo-mente a essa presença, a essa Consciência para que isso seja bem natural, sem qualquer esforço, sem qualquer trabalho. 

A princípio esse “exercício” é fundamental, esse exercício eu chamo de Satsang, autoinvestigação, meditação e entrega. Entrega a sua real natureza, isso é meditação, só é possível na real autoinvestigação, ou que poderíamos chamar de investigação pura, quando se percebe a falsidade, a ilusão, desse movimento separatista que a mente produz, pelo poder do hábito, a cada segundo, quando começamos a ver isso, isso começa a desaparecer... O ego é um movimento de hábito, o sentido de separatividade é só um hábito no qual o mecanismo está estabilizado, no organismo a alguns decênios mas na humanidade a milênios, então um trabalho se faz necessário.

(O mesmo participante escreve várias perguntas de uma só vez na tela do aplicativo do Paltalk).

Menino você escuta pouco, primeira lição sua em Satsang é aprenda a ouvir, tudo o que você precisa é aprender a ouvir, sua mente é muito tagarela... Venha a um Satsang presencial e urgente, seu caso requer isso... Suas perguntas, são perguntas de buscas de conclusões, conclusões não servem para nada, só lhe torna mais intelectual do que você já é, e isto é lixo dentro de Satsang, não servem para nada...
 
Repare quantas perguntas você faz, você não escuta uma única resposta, mas faz centena de perguntas...

Lá vem você com mais uma pergunta, vou ler só a última. 

PARTICIPANTE FAZ NOVA PERGUNTA: Pelo que li no seu blog, "no quem sou eu" parece que você passou por isto também, faz parte do processo?


M.G: Menino, tudo faz parte do processo, mas é só um processo nada mais tem importância, o que eu considero importante estou compartilhando aqui nesse fala, se você aprende a ouvir essa fala, você tem todas as respostas às suas perguntas, não na fala, mas naquilo que está além da fala, nesse silêncio presente agora nesse momento... Permita trazer todas essas perguntas presencialmente, você irá perceber uma mudança em seu estado mental, aí depois fica muito fácil você entrar aqui no Paltalk e descobrir em minhas falas, nesse espaço de silêncio a verdade sendo revelada a você, porque ela já é você, por exemplo você escreve: (leitura das várias perguntas escritas anteriormente): "A liberação é uma espécie de eureka, então é isso? Completude e paz foi logo passando e percebi que logo foi perdendo, você fala o sonhos tem importância nessa busca, uma semanas atrás. Os sonhos tem alguma significância nesta busca? Sendo mais específico: algumas semanas atrás sonhei que alguém me apontou uma espécie de janela a ver uma imagem e logo me dei conta de que o que eu assistia era eu mesmo, no dia a dia, naquele momento senti preenchido de uma sensação de completude, liberação e também uma espécie de "eureka" então é isto?!!! Ao mesmo tempo fui percebendo que eu ia me perdendo e tornando aquilo que eu assistia. daí acordei confuso (de verdade acordei) e aquela sensação de completude e paz foi logo passando. Isto é apenas um sonho, mais uma "jogada"da mente? Porque pergunto isto, porque sempre que ouço falar de ilusão, mente, esta sonho que tive vem na memória, mas a sensação de entendimento não. Isto pode ter haver com a ilusão desta suposta pessoa se movendo?"

Se você estivesse presencialmente eu te diria: Você é tão bonitinho... (risos). Esqueça tudo isso, abandone tudo isso, são só experiências, experiências passando, todos nós aqui nessa sala já passamos por inúmeras experiências, mas são só experiências...

Vamos ficar por aqui...


Transcrito de uma fala via Paltalk Senses no dia 05 de maio de 2014
Encontros todas as segundas, quartas e sextas-feiras às 22h

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações