sábado, 5 de abril de 2014

Paltalk Satsang - Quando a mente termina, o sofrimento termina!





O silêncio em Satsang é muito revelador, as palavras elas estão sempre espelhando conceitos, pensamentos são palavras, quando as palavras são assim verbalizadas elas apresentam conceitos, então é muito fácil transformarmos a fala em alguma coisa a serviço da mente, mas não o silêncio.

Na razão em que você aprofunda nisso, aprofunda em seu estado natural, maior é o silêncio, menor é a necessidade de palavras, a mente tem muita necessidade de palavras, a mente vive de imagens, de ideias, quadros, a mente vive de conceitos, e nós vivemos muito apegados a conceitos, estamos apegados a mente. 

A mente nos dá o sentido de ser, esse sentido de individualidade, de seres únicos, isso é algo que tem a sua base na mente. A pessoa é somente o sentido de ser na mente, o sentido de ser na mente é a pessoa. E a pessoa está vivendo disso, vivendo desses conceitos, quadros, ideias, imagens, imagens sobre si mesmos, imagens sobre o outro. Tudo isso são pensamentos, então nós nos perdemos nisso, aquilo que verdadeiramente nós somos se perdeu nessa ilusão, na ilusão da pessoa.

O fim da mente é o fim da pessoa, é o fim do indivíduo, é o fim da separação. É o fim de toda essa confiança, em toda e qualquer crença, é o fim de toda essa confiança nas imagens mentais, é o fim da confiança em todos os conceitos, todas as explicações, todo conhecimento, todos os pensamentos, tudo isso cai quando o sentido de separação cai, há um tremenda liberdade aí. Só então Ser é possível, quando o sentido de ser não mais está presente.

Então isso é o silêncio, o real silêncio. Ser é silêncio e isso é não mente. Não-mente é o incognoscível, aquilo que é indescritível, é isso que eu chamo de sua natureza real, é isso que eu chamo de Deus. 

Aí está a liberação, este é o fim do sofrimento, quando a mente termina o sofrimento termina, quando todas as crenças, todas as ideias, conceitos, essa é a plenitude, o fim de tudo isso é a plenitude, e a plenitude é esse vazio.

Esse é o real silêncio. Isso é indescritível paz, indescritível felicidade, isso é aquilo que permanece no coração de todas as aparições, de toda a manifestação, assim como de toda a experiência, é o cerne, é o âmago, é o que está oculto, é o que permanece como uma base que sustenta. 

Reparem que tudo isso é meditação, são expressões, palavras diferentes, expressando a mesma realidade, Não-mente, Ser, Silêncio, Presença, Consciência. Direcione os seus olhos para essa direção, e não tire os seus olhos daí, volte o seu coração inteiramente para isso, permaneça nessa coisa, permita tudo volatizar, evaporar, se dissolver, desaparecer, nesse silêncio, nessa Presença

Agora mesmo há algo maior do que essa fala acontecendo, a fala acontece, algo maior que a fala acontece, coloque seus olhos nisso, não tire eles daí, coloque o seu coração nisso, não se desvie, não deslize para fora disso, e durma com isso essa noite. 

Vamos ficando por aqui, boa noite a todos! Fiquei com isso! Namastê!


Fala transmitida pelo Paltalk na noite de 04 de Abril de 2014
Encontros todas as segundas, quartas e sextas às 22h

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações