segunda-feira, 7 de abril de 2014

É o Guru que Faz Todo o Trabalho





Não se trata de aprender um novo ensino que possa nos instruir de como fazer, como proceder para nos libertamos de nossos condicionamentos, de nossos padrões, de nossas ilusões. A questão que precisa ser reconhecida é: "Nós não podemos fazer isto, a partir de nós mesmos, a partir de nossos próprios esforços, a partir de nossas próprias decisões." Todo e qualquer fazer apenas reforçará a ideia de uma entidade separada do todo, de um indivíduo, de um você "fazendo", "realizando", "buscando", "tentando chegar lá". Chegar aonde, se a partir da mente, você só pode acessar aquilo que já é conhecido?

E se aquilo que já é conhecido pudesse verdadeiramente reduzir a cinzas todos esses padrões que te impedem de simplesmente ser, isto já não estaria finalizado?

Só uma intervenção da "Graça" que é a Inteligência Suprema e misteriosa da vida, pode através da sua ação, através da Presença do Guru, que é aquele sobre o qual esta mesma Graça, já libertou completamente de todas as limitações, de todas as fantasias, aquele que agora como expressão desta Misteriosa Inteligência Suprema trabalha sobre "nós mesmos".

É o Guru que faz todo o trabalho
, é a Graça manifesta na Presença do Mestre que nos afasta todas as ilusões e destrói todos os condicionamentos, todos os padrões limitantes, todas as vasanas, todos os empecilhos que aparentemente nos impedem de sermos aquilo que somos, que nos impedem de viver dentro de um estado natural e impessoal, livres da miséria do medo, da depressão, da ansiedade, da ambição, da incerteza, da presunção, da vaidade e de todos os truques que a mente utiliza para nos manter ancorados nesse grande jogo, nessa grande ilusão de maya. E o Guru não está limitado ao corpo, basta colocarmos toda a nossa atenção em sua Presença, mantermo-lo presente em nossos corações, durante todo o tempo, neste silêncio, nessa confiança, nessa disposição de entrega. 

Hoje eu só posso manifestar minha gratidão pelo mestre Marcos Gualberto, a entrega ao Mestre não é a entrega a uma pessoa, é uma entrega à "Graça", à "Suprema Inteligência", à nossa "Real Natureza", é uma entrega àquilo que somos, livres de todos os conflitos e da limitante ideia "eu sou o corpo".

Graças a esta entrega, a esta convivência, a esta confiança no Mestre, hoje aqui não há mais confusões com relação aquilo que sou, não há mais sofrimentos, angústias, não há mais a oscilação daquele que a cada período do dia, vivencia um estado emocional diferente, ora estando animado, a outra desanimado, ora feliz e ora para baixo, em um momento com fé, esperança e confiante na vida e em outro momento completamente pessimista e melancólico, num momento em amor, no outro em ódio, vivendo como um pequeno barquinho à deriva de acontecimentos, situações, pensamentos, sentimentos e emoções, caminhando sob o fio navalha, ora acreditando estar feliz, mas estando com medo de perder aquilo que lhe preenche e lhe traz esta alegria dependente e condicionada a um fenômeno passageiro e sem consistência,  e ora no "olho do furacão" em desespero devido a perca de "alguém", de "algo", ou a mudança de uma "condição".

E mesmo vivendo ao meio de todos esses contratempos, de todas essas oscilações, de toda essa miséria, ainda sustenta o orgulho, a vaidade, a presunção, ainda acredita em seus próprios esforços e no incentivo vindo da mente, dizendo: Você pode chegar lá! Continue! Conquiste! Acredite nos seus sonhos! Você nasceu para ser um vencedor! E no seu dia a dia, vivendo esta miséria, de todas essas oscilações, de toda essa energia que é desperdiçada, tentando encontrar alegria, paz, verdade, felicidade em objetos, pessoas, coisas e lugares, tentado encontrar a verdade fora de si mesmos.

Graças ao convívio, a confiança, a entrega, a inocência, a pureza de coração, porque o coração em sua pureza pode confiar, quando ele é tocado pela Presença na forma do Guru, e sabe que aquele voz é a sua voz, que aquele amor é o seu amor, que aquela verdade é a verdade que trás em si mesmo, que não há separação entre aquilo que "eu sou" e aquilo que é o "Guru", e isto não é dependência, isto é a suprema liberdade, nesta entrega a "mente" é colocada em xeque, esta "entidade separada" é confrontada, o "ego" que é esta mente, que é esta entidade separada é subjugado por uma inteligência, por um poder, por uma força maior, e conduzido ao seu lugar que é o nada. E nesse momento a liberdade, a felicidade, a paz, o amor que é natureza do Ser, passa a brilhar nisso que é a Vida, nos acordando do sonho de uma vida que não era real.

Repito: É o Guru que faz todo o trabalho, você não faz nada, tudo o que você pode fazer é se esforçar ao máximo para estar ao lado do Mestre, estar próximo, estar conectado ao Mestre durante todo o tempo, presencialmente e quando não presencialmente, entregue no coração a Sua Presença Onipresente, este é o único esforço necessário, mas quando você reconhece a alegria desta proximidade, este esforço se torna a ausência de todos os esforços. Qualquer coisa além disso, que você possa fazer, será mais um empecilho a verdadeira liberação!

Tom de Aquino
"Gratidão eterna ao Mestre Marcos Gualberto"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações