quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Satsang - O que Você é não pode ser conhecido, isso é a sua Natureza


Você pode conhecer qualquer coisa, você só não pode deixar de Ser Aquilo  que você É. O que eu quero dizer é que você pode conhecer a infelicidade, conhecer a miséria, conhecer o sofrimento, conhecer o conflito, você pode conhecer qualquer coisa. Você só não pode deixar Ser quem você É. E eu digo: você é Paz. Você É, você não pode conhecer a paz, você é a Paz. Repare o que eu estou dizendo: você é Liberdade, você é Amor.

Agora, o que é que a mente tem feito? A mente é esse padrão de condicionamento. A mente está em busca da paz, a mente está em busca do amor, a mente está em busca da liberdade, da felicidade. No momento que a busca para ela desaparece, esse simples constatar de que tudo está neste instante, aqui, de que está perfeito! A experiência sem aquele que busca algo diferente disso que se apresenta quando o sentido de um buscador desaparece, de um experimentador desaparece, de um observador desaparece, desse alguém desaparece... Então, tudo que você tem é o que você É. Isso não pode ser conhecido, isso é a sua Natureza, que é incognoscível. Não fica alguém para conhecer qualquer coisa a cerca de si mesmo.

Só fica o conhecer, não o  conhecido. Só fica o ver, não o que é visto. Só fica o experimentar, não o experimentador. É isso que eles chamam de Despertar: é saber que não há nada que não seja esta única Consciência. O que é estar desperto? É estar ciente da ciência de que só há esta única Consciência. Quando isso, nesse falar, nesse agir, nesse sentir, não há mais qualquer sombra dessa ilusão de uma identidade. Nessa experiência, esse é o Despertar.

Requer para cada mecanismo, para cada  organismo, para cada corpo- mente, um tempo. Não para esta Consciência presente, mas para cada mecanismo, um tempo de desprogramação. Daí a importância da autoinvestigação, como está acontecendo agora, aqui - da investigação, da meditação, que é algo que acontece junto, como agora, neste instante. É meditação e essa entrega, que é essa disposição para olhar para isso, se abrir e olhar para isso, estar vulnerável para olhar para isso.

Você é esta Consciência nessa expressão aí, nesse corpo ou nesse mecanismo chamado mente aí. Você É esta Consciência e Ela está aqui, aí, somente para constatar isso. E você me pergunta por quê?  Não tem porquê. Isso é assim, qualquer outra coisa fora isso é essa assim chamada infelicidade que na mente pode ser conhecida, pode ser experimentada, vivenciada. Claro, a mente pode experimentar, vivenciar e conhecer. Ela aqui entra como esse sentido de separação.

Você jamais será feliz, você jamais terá paz,  você jamais terá liberdade. Isso não está amanhã, não está depois de amanhã, não está em algum ponto, não está em algum lugar. Você é esta Graça, você é esta Presença agora. Você não pode ter o que você É. Você pode é soltar a ilusão de ser algo diferente do que de fato você É, a ilusão de ser alguém, alguém porque tem algo pra realizar e tem algo para fazer e tem alguma coisa que pode ainda construir para chegar nesse assim chamado objetivo maior, etc., etc., etc.. Tudo isso é balela, fantasia mental.   

I - Seria a pretensão de algo para ser feito depois? 

M - De alguém pra fazer.

I - Ou você vê ou não vê

M - Isso está presente agora como seu Ser. Não é algo que você possa conhecer, que você possa experimentar, que você possa vivenciar. Não é algo que você possa conhecer, porque é o conhecedor. Não é algo que você possa vivenciar, porque é a vida. Não é algo que você possa fazer, porque já esta feito. É assim.

Um comentário:

  1. Requer para cada organismo um tempo.Tempo de desprogramação.
    Este é o paradoxo, não é?
    Ao mesmo tempo que requer um tempo,não existe tempo.
    O próprio organismo é uma ação do tempo.
    Um aparente organismo,num aparente tempo.
    Organismo de quem?
    Sem a crença de alguém ali ele se transforma em fumaça.Muito louco,tudo isso.

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações