segunda-feira, 1 de julho de 2013

Satsang - Deus e a Ilusão da dualidade



Algumas pessoas estão me perguntando "o que é dualidade?", e "o que é não-dualidade?". Essa é uma expressão muito comum hoje sendo usada, quando as pessoas se interessam em trabalhar em si mesmas, em tomar conhecimento da autorrealização, elas se deparam com essas expressões. Em inglês é "nonduality", e a gente encontra muito essas expressões na internet, em alguns blogs, em alguns sites, e as pessoas estão perguntando o que é isso, o que é afinal dualidade e não-dualidade (duality and nonduality). O que significa isso?

Bem, a dualidade, ela é a base dessa "desfiguração" – colocando dessa maneira – da Visão Verdadeira, da Visão Real. Nós vivemos dentro de um conceito de "dualidade". A palavra "dualidade", significa literalmente "dois"; ou, "duas coisas". E esse sentido do "eu" que temos dentro dessa separação que sentimos com tudo á nossa volta, é nascido da dualidade – "eu e o outro"; "eu e o mundo"; "eu e Deus"; "eu e a vida".

Esse "eu" está constantemente lutando em meio aquilo que ele acredita estar fora dele. Tudo isso baseado nesse conceito: "ele e outra coisa fora dele". Mas na verdade o "eu", ele, através do pensamento, ele tem produzido essa divisão, essa separação – a separação da dualidade. E esse separação da dualidade, é a base de todos os nossos conflitos e todos os nossos problemas.

Se nós nos tornarmos cônscios de nós mesmos, se nós investigarmos á nós mesmos, se nós olharmos para dentro de nós mesmos, e para fora de nós próprios, mas com esse Olhar, apenas o olhar da Observação Direta, nós não vamos encontrar esse "eu", e este "outro". E quando isso acontece, termina essa "separação", termina essa "dualidade", termina naturalmente todo o conflito criado por essa dualidade, e esse sentido completo de separação que sentimos com relação á vida, e com relação ás coisas, com relação á tudo, á nossa volta, inclusive com relação á sentimentos, á pensamentos e emoções. Tudo isso é nascido dentro desse conceito chamado "eu", que produz através do pensamento essa "dualidade", por tanto, essa separação.

Esse é um assunto muito importante, muito interessante, que precisamos investigar com o coração bem aberto, e com a mente capaz de deixar de lado seus conceitos; as suas ideias; toda a sua programação; todos os seus paradigmas; todas as suas crenças; para descobrir alguma coisa; algo além de tudo isso; algo fora de tudo isso; algo que está fora desse conceito dual, que é a realidade; a realidade que somos; a realidade que trazemos; a realidade, que é a verdade sobre nós mesmos. Isso significa o fim do conflito, o fim (como eu disse agora pouco), o fim do sofrimento. E nós vamos dar á você um exemplo de como acontece, através do pensamento, essa fantasia da dualidade, essa ilusão da dualidade, porque na realidade não existe dualidade. Toda dualidade é criada pelo pensamento. Todo esse conceito de um "eu separado do outro", "separado do mundo", "separado de Deus", isso é uma ilusão criada pelo pensamento, e é muito fácil vermos isso, quando, por exemplo, você olha para a sua esposa, quando você olha para o seu marido, quando você olha para um de seus filhos, na realidade, você não os vê. O que você tem deles naquele exato momento é uma "imagem", uma imagem que é baseado numa memória, numa lembrança, ou numa série de lembranças que você tem daquela pessoa, e você guardou isso dentro de você, está guardado dentro de você, e isso acontece de uma forma involuntária e automática.

É assim que funciona a memória. Ela acontece. Ela é registrada ali nas células cerebrais, e quando você olha a pessoa, na realidade você tem dela uma imagem, e essa imagem está baseada na memória, no conhecimento, que na realidade é puro pensamento. Então, o pensamento, quando ele entra em ação, ele cria a imagem, e com a imagem, ele cria esse conceito dual "eu e o outro", "eu e ele".

Quando olhamos a esposa, o marido, os filhos, o patrão, o empregado, ou qualquer outra pessoa com base nessas imagens que o pensamento colocou ali, o que nós temos? Nós temos, naturalmente "divisão" – a divisão da dualidade, e onde há divisão, há conflito.

O marido não se relaciona com a esposa. O que ele tem da esposa, são imagens e vice-versa. As nossas relações estão todas baseadas em imagens, e essas imagens estão constantemente gerando conflito. É interessante você refletir sobre isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações