quarta-feira, 15 de maio de 2013

Satsang: O Sagrado Espaço desta Ilimitada Consciência que é Você




Olá pessoal boa noite! Boa noite a todos! 

Estamos juntos esta noite para olharmos que tudo o que acontece é uma ação dessa Presença, estamos em mais um encontro em Satsang. 

Não é um encontro com uma fala, não é o encontro com palavras, não é o encontro com uma personalidade que nos motiva, nos entusiasma, que nos incentiva, não é o encontro com um palestrante, não é um encontro filosófico, religioso, espiritual, místico. 

Satsang é um encontro com esta natureza divina que somos, é um encontro com este silêncio, com esta verdade de cada um de vocês, de cada um de nós, assim não estamos aqui para discutir, debater, afirmar ideias, permutar palavras, ver confirmado ou procurar confirmar nossas crenças, nossos julgamentos, nossas opiniões, estamos simplesmente diante do silêncio que é Presença, que é Ser, que é Consciência, que é ausência do sentido de uma entidade separada. 

Em toda parte temos a oportunidade de aprender, de trabalhar pelo crescimento, pela evolução, pelo aprimoramento, pelo aperfeiçoamento. É curioso, mas Satsang não tem nada disso. É o único espaço onde só o que importa é o próprio espaço. 

Aquilo que importa em Satsang não é aquilo que acontece no Satsang, a fala é o que acontece, quando estamos num encontro presencial, o olhar acontece, os gestos, a movimentação no espaço físico, as perguntas e as respostas, o momento em que também ficamos quietos fisicamente, em silêncio verbal, isso tudo é o que acontece nesse espaço, mas não é o que acontece nesse espaço que importa, curiosamente não é o que acontece de um modo geral, estamos sempre enfatizando o que acontece, ocupados com o que acontece, dando importância com o que acontece,  nos preocupando com o que acontece. Há uma cobrança muito forte, mental, acerca disso, mas eu quero repetir isso para você não é o que acontece nesse espaço, o que nos interessa em Satsang é:  Aonde isso acontece, cada vez que nos encontramos, nós estamos olhando para isto, estamos olhando para o próprio espaço, não o que acontece no próprio espaço, é onde acontece aquilo que, acontece.

A mente é movimento, que se move no tempo. Toda ação acontece no tempo. O pensamento acontece no tempo, as intenções, os motivos, as razões se cumprem no tempo e tudo isso são acontecimentos no espaço, nós queremos aqui enfatizar a importância do próprio espaço aonde tudo acontece. 

O espaço não evolui, o espaço mesmo não se amplia, não cresce, não tem um movimento nele, nenhum objetivo, nenhuma direção, verticalmente ou horizontalmente, é apenas o espaço, é este espaço que enfatizamos em Satsang, é nele aonde tudo acontece e, é isso que nos interessa nesse encontro, nos atentarmos para isto, para este espaço. 

Este espaço é Pura Consciência, Pura Presença, é a realidade do seu Ser. É onde sensações aparecem, emoções aparecem, sentimentos aparecem, é onde as percepções sensoriais surgem, é aonde os pensamentos, os acontecimentos mais do que esta fala, é um momento de silêncio que aponta para este espaço, é o que importa. Agora mesmo fique vulnerável, aberto, sensível ao espaço, não se prenda a nenhum movimento no espaço, não se prenda a sensações, a sentimentos, a pensamentos, a percepções sensoriais, tudo está passando, enquanto que este espaço se mantém inalterado, intocável, imovível. Este espaço é silêncio, este espaço é meditação, este espaço é Ilimitada Consciência, que é Ser.

Todas as falas nossas estão apontando para este silêncio, é o uso da expressão verbal, é o uso da palavra para irmos além da expressão verbal, para irmos além da fala, para irmos além da palavra. Para atentarmos para aquilo aonde a palavra ocorre, aonde a palavra acontece, palavra é apenas movimento de pensamentos, pensamento verbalizado nós chamamos de palavra, mas o pensamento aparece e depois desaparece e, algo permanece sem qualquer alteração, sempre presente, que é o silêncio, este espaço onde a fala acontece. Ser é basicamente isto, simplesmente isso, é essa liberdade de Pura Consciência desidentificada daquilo que vem e vai, daquilo que surge, daquilo que se movimenta nesse espaço, nessa Presença. 

Nós temos ao longo de todo este tempo nos identificado com o movimento. Assim nos esquecemos do espaço, nos identificamos com os móveis, dentro de um ampla sala, repare que os móveis podem mudar de lugar em uma sala e, a impressão que se tem, é que o espaço se torna maior ou menor por conta da posição desses móveis, desses objetos, na posição em que eles estão dentro desta sala. Mas há algo que nos escapa quando estamos olhando para uma sala, sempre nos atentamos para os móveis, para a posição deles, da mesma forma a mente significa este movimento dos móveis, a posição dos móveis, nunca nos atentamos para o espaço da sala e, sim para os móveis, móveis são os nossos interesses, a mesa, o sofá, e tudo o mais dentro dessa sala, da mesma forma o nosso interesse tem se voltado para aquilo que aparece como ocupação nesse espaço, e não para o espaço em si. 

Assim estamos ocupados com aquilo que vem e vai, com aquilo que sofre mudanças, com aquilo que está alterando, mudando o tempo todo. Por isso estamos perdidos nessa identificação com o movimento na consciência, que é o movimento desses objetos, nesse espaço, assim nos identificamos com o corpo e com a mente, assim nos identificamos com sentimentos, com emoções, com sensações, com pensamentos, e com todas as reações dessa mente. Isto está acontecendo nesse ilimitado espaço que é Pura Presença, que é Consciência, que é Ser. 

Seu estado verdadeiro, seu estado natural, nós estamos ocupados exatamente com isto, o seu trabalho, é o trabalho da própria Presença, da Própria Graça, da própria Consciência atentando para ela mesma. Se desidentificando daquilo que aparece e desaparece nesse espaço.

Eu diria para você; apenas deixe tudo ser o que é, e você permaneça nesse lugar, nesse espaço, como essa Presença que testemunha. Quando esta Presença que testemunha assume o lugar dela, tudo o que aparece nesse espaço ainda é Presença, assim aquilo que é testemunhado como movimento ainda é parte dessa Presença, tudo é parte dessa Presença, quando não nos confundimos com aquilo que aparece, quando não nos confundimos com o movimento na consciência, somos Presença, somos Consciência desidentificada e ao mesmo tempo, somos tudo que aparece e desaparece nessa Consciência desidentificada. 

Já não há mais conflito, medo, não há mais desordem, porque não há mais a ilusão, a crença no sentido de uma identidade, identificada com o corpo e a mente, identificada com aquilo que vem e vai, identificada com essas aparições e com essas mudanças dentro deste espaço. 

Percebam que quando falamos de realização, falamos do despertar, iluminação, estamos falando desse estado natural, livre de toda forma de identificação errônea, equivocada, a identificação com o corpo e a mente, na ilusão do sentido de uma identidade dentro do corpo e um mundo fora do corpo, separados. 

Seu estado natural é realização, e seu estado natural é aquele no qual tudo aparece e desaparece sem a ilusão de uma identidade nisso, que vem e vai. Isto é Ser, é Presença, é Consciência, é Realização. Isto é meditação. Meditação não é algo separado do seu estado natural, de alguém que como meditador pode fazer, e depois que para de fazer, o meditador desaparece e a mente volta de novo, quando o meditador aparece a mente é aquietada e, quando o meditador desaparece a mente volta de novo, meditação não é isso. 

Meditação é ausência da ideia de uma identidade que pratica qualquer coisa, essa identidade que pratica vem e vai, como a mente vem e vai. Essa meditação que está presente e não está presente é algo que vem e vai, estamos falando da clara constatação desse espaço, que é pura Consciência desidentificada de tudo que vem e vai, isto é meditação, seu estado natural, seu estado verdadeiro, seu estado real.

Liberação é isso, libertação é isso, não há alguém na libertação, é só libertação. Não há alguém na realização, é só realização. Não há alguém desperto, e só o despertar. Não há alguém dentro ou fora, há somente este espaço no qual o dentro e o fora aparecem, eles surgem nesse espaço. Corpo e mente estão dentro deste espaço, não é esta presença, esta consciência que está dentro de você, é você como corpo e mente dentro dessa Consciência, dessa Presença. Como corpo-mente dentro dessa Ilimitada Consciência, dentro dessa ilimitada Presença que é a testemunha. E assim corpo e a mente estão dentro de você e não você dentro do corpo e da mente.  

Tudo está dentro desse espaço. Tudo aparece e desaparece nesse espaço. Isto é Consciência, isto é Presença, isto é Ser, isto é Realização. 

Ok? E é só isso. É isso aí.




Satsang realizado no Paltalk na noite de segunda feira dia 13 de Maio de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário

Compartilhe com outros corações